Saneamento financeiro: a maior conquista da Santa Casa de Guaçuí

COMPARTILHE
356

Nos últimos anos, a Santa Casa de Misericórdia de Guaçuí apresentou um enorme crescimento. Contas em dia, parcelamento dos atrasados, novos equipamentos. Esta nova fase foi devido ao comprometimento e trabalho da diretoria e dos funcionários. Entre as principais conquistas, está o título de filantropia (CEBAS – Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social) e as Certidões Negativas de Débito (CND), conquistadas em 2016.

“A certidão da filantropia vinha se arrastando por um longo tempo junto ao Ministério da Saúde, por diversos problemas contábeis. A entidade sempre tinha o indeferimento desta certidão. Além de problemas com as certidões estadual e federal”, explica Denis Vaz, supervisor da Santa Casa de Misericórdia de Guaçuí.

De acordo com informações da entidade, haviam muitos impostos atrasados e muitas dívidas quando a nova diretoria assumiu. O empenho da atual administração, comprometida em transformar a realidade encontrada, foi fundamental para a conquistas destes documentos. “O hospital passou por um período muito complicado, com atrasos em FGTS, INSS, entre outros. Até que no meio de 2016, não foi permitido mais a renovação temporária do título de filantropia. Tivemos que apresentar um novo processo e nova documentação. Conseguimos resolver o problema em seis meses”, conta Denis Vaz.

Continua depois da publicidade

A obtenção do CEBAS possibilita às entidades a isenção das contribuições sociais, além de receber receitas oriundas de convênios e emendas parlamentares, bem como subvenções sociais como incentivo de qualificação da gestão hospitalar (IGH) isenção na taxa de Importação de equipamentos, materiais e alguns impostos.

A CND é um documento emitido por qualquer órgão do governo que confirma não haver pendências financeiras ou processuais em nome dessa pessoa física, jurídica.

Para conseguir emitir uma certidão negativa de débitos, é necessário que sua empresa esteja totalmente em dia e regularizada com o governo. A atual gestão conseguiu a isenção do PIS e mantém o pagamento do FGTS e INSS de todos os funcionários em dia, inclusive parcelamento de anos anteriores.

Estes documentos habilitam a entidade a receber verbas públicas para manutenção, custeio e equipamentos. Traduzindo em números, hoje a Santa Casa recebe, entre governo estadual e federal, aproximadamente um milhão de reais mensais. “Desde a conquista do título de filantropia, em 2016, até novembro de 2018, foram mais de R$5,1 milhões para aquisição de novos equipamentos. Estes recursos colocaram o hospital em outro patamar, transformando-o em referência regional”, exemplifica o supervisor hospitalar.

Segundo Denis Vaz, a conquista da credibilidade junto ao poder público possibilitou a entrada de novos recursos no caixa da instituição, garantindo a expansão e melhoria dos serviços ofertados. “Hoje conseguimos fazer cirurgias ginecológicas, ortopédicas e gerais, graças à conquista do CEBAS e da CND. Vale ressaltar que as CND’s foram emitidas sem assumir novos parcelamentos, como já aconteceu no passado. Conseguimos ampliar nossa lavanderia, com novas máquinas. Na parte de hotelaria, conseguimos trocar todas as camas do hospital e temos uma cadeira do papai para cada acompanhante. E muitos outros projetos já estão encaminhados para garantir a modernização da instituição e qualidade no atendimento dos que necessitam”, relata.

Publicidade