Não de Magno a Bolsonaro garante disputa acirrada no ES

COMPARTILHE
463

Sem o senador Magno Malta (PR) no processo eleitoral capixaba, as eleições eram uma. Com ele, a coisa muda.

Ao dizer não ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), que o queria como vice, Magno passa a trabalhar a sua reeleição e vira peça chave no xadrez eleitoral capixaba, passando a ser decisivo em qualquer palanque que esteja.

Mas, muito mais que isso. Sua presença é a garantia de que teremos uma eleição acirrada, uma vez que a possibilidade de um único palanque está descartada.

Continua depois da publicidade

A conta é essa: temos uma vaga de governador e duas vagas no Senado. Temos o próprio Magno e o outro senador Ricardo Ferraço (PSDB)em busca da reeleição, além um fenômeno eleitoral chamado Amaro Neto (PRB) também quer ser senador ou governador. E do outro lado Renato Casagrande (PSB) sonhando voltar ao Governo estadual.

Síntese: quatro nomes e três destinos.

Sem Magno, até mesmo a possibilidade de Casagrande governador com Amaro e Ricardo senadores existia. Com ele, a conta não fecha e, considerando que estamos falando de quatro campeões de votos, desabrigar um desses pode-se criar um adversário que ninguém gostaria de ter.

Não é uma conta simples de ser fechada, mas que, na hora certa, terá de ter desfecho. O certo é que alguém pode chorar. O certo é que haverá emoções além da conta até o final.

Pelo que se vê, a saída do governador Paulo Hartung (MDB) do processo eleitoral não foi o fim, mas o início de tudo.

Publicidade