Misteriosa Mente

COMPARTILHE
Foto: Pixabay
184
Advertisement
Advertisement
Advertisement

Superinteressante-mente a mente é uma função do cérebro que eventualmente é confundida como se fosse um órgão.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Graças a esse órgão complexo o sistema nervoso o cérebro e a essa extraordinária função dele a mente, somos animais pensantes, é através dos pensamentos que tomamos decisões, assumimos posições e emitimos nossas opiniões.

Por mais que nos julguemos modernos e liberais, nossas atitudes guardam em si uma forte ligação com nossas bases aprendidas e apreendidas. São com base nesses aprendizados que construímos nossas convicções, estas irão nortear nossa forma de pensar, agir e perceber o mundo a nossa volta, muitas vezes motivo de conflito com aquilo que foge nossas convicções.

Contudo estudos verticais têm comprovado que a plasticidade cerebral que é a capacidade de reorganização neural, fornece grande potencial adaptativo na aquisição de novos conceitos e valores adquiridos com as novas experiências e no enfrentamento da vida diária.

“A maior descoberta da minha geração foi a de que o ser humano pode alterar sua vida alterando sua mente”, William James (1842-1910) Filósofo e Psicólogo Funcional.

Nossas convicções são a mola mestra que rege nossos comportamentos, podem nos conduzir a sentimentos como:  calma, serenidade, paciência e aceitação ou então a sentimentos nocivos com raiva, desprezo, impaciência e negação.

São sentimentos que trazem com eles os resultados pertinentes aos próprios sentimentos que serão determinantes em todos os setores da vida: físico, mental e psicológico que podem nos conduzir para a felicidade ou para a tristeza, para a saúde ou para a doença.

O mais legal dessa história e que você é o protagonista e pode escolher entre o bom e o ruim, entre a paciência e a intolerância e consequentemente entre o rancor e o amor. Para que as mudanças ocorram será muito importante que você tome consciência de suas ações e passe a tolerar seus impulsos.

“A intenção de cultivar a paciência já é meia conquista”. Yonne Rand, professora budista.

Cultive sentimentos profícuos que dependam exclusivamente das suas próprias habilidades e atitudes e não da vitória do seu time, das próximas cenas da novela ou das decisões políticas. Proporcione a sua mente um desempenho que lhe renda alegria, felicidade e progresso, para isso, nutra-a com o exercício da paciência, da tolerância e da bondade.

Enfim, tudo depende de suas escolhas, afinal temos liberdade para escolher nossos estados mentais e facilitar o equilíbrio da mente, pois a infelicidade pode estar nas coisas, mas a felicidade está dentro de você.

Fernando Rangel Pereira é psicólogo Humanista e pós-graduado em Neuropsicologia.

Advertisement