Mais uma Maracutaia Petista

COMPARTILHE
389

A teoria do golpe nada mais é do que uma estratégia petista para encobrir os maus feitos do partido e de suas principais lideranças, quando no governo. O objetivo é claro: difundir na sociedade uma perseguição política, que não se sustenta nos fatos, para manter a unidade de seus militantes e confundir a opinião pública, no intuito de ainda obter dividendos políticos como vítima de um processo. Lamentavelmente, a teoria encontrou eco nos admiradores de Karl Marx que militam nas universidades, em setores maniqueístas da imprensa, nos movimentos sociais lulopetistas, e junto aos artistas e “intelectuais” de esquerda, etc…

A organização de um golpe envolvendo Legislativo, Executivo, Judiciário, Polícia Federal, ministério público, setores da imprensa e o capital financeiro nacional e internacional, da forma dita pelo PT, necessitaria de uma articulação muito abrangente. Mantê-lo em sigilo seria dificílimo, quase impossível. Logo viria a tona com base em fatos; não em ilações.

Particularizando o caso do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT-MG), como exemplo, o fato real é que as pedaladas fiscais aconteceram, acarretando o descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas, passado o tempo, o PT continua a negar insistentemente. No entanto, o então secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, cansou de ser alertado sobre isso. Não há, portanto, sustentação para o “golpe”.

Continua depois da publicidade

Outro fato é que a prisão do ex-presidente Lula da Silva (PT-SP) foi amparada em um processo judicial coberto por provas contundentes. Se houvesse a tal “perseguição do Juiz Sérgio Moro”, como prega o PT, fatalmente a pena relativa ao tríplex na praia das Astúrias, no Guarujá – SP, não teria sido ratificada, por unanimidade, e ainda aumentada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre. Vários habeas corpus com relação a esse mesmo processo também não seriam negados, tanto pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), como pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

É incrível, mas qualquer autoridade que entre em conflito com o que quer o PT, logo é tratada como desafeto, sem o mínimo de piedade e pudor.  O último da lista é o Juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília. O “pecado” do Juiz Vallisney é ter aceitado a denúncia do Ministério Público Federal tornando réu, mais uma vez, o ex-presidente Lula da Silva e a ex-presidente Dilma Rousseff, bem como outros “cumpanheiros” petistas, por uma “miríade” de crimes contra a administração pública nos 13 anos e meio de governo. Este processo é um desdobramento da Lava-Jato e tem o nome de “QUADRILHÃO”.

E com MENSALÃO, PETROLÃO E QUADRILHÃO o PT não muda o lado do disco, por absoluta falta de nobreza para assumir seus erros e de grandeza de pedir desculpas à nação. É claro que para quem não tem esses predicados é mais fácil dizer-se perseguido. Daí que agora diga ser “vítima de uma campanha de terrorismo cultural… pela ocupação de territórios, corações e mentes pela extrema direita” porque também não sabe aceitar a derrota nas urnas.

Nesta semana o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) e a senadora Gleisi Roffmann (PT-PR) ocuparam a tribuna da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, respectivamente, para denunciar a existência de um “complô de setores do Ministério Público e do Judiciário com o objetivo de matar o ex-presidente Lula no cárcere onde ele cumpre pena”. Mais uma apelação ligada ao golpe, com intuito de vitimar-se ante a opinião pública. O PT realmente não tem limites.

Publicidade