Imóveis menores não são tendência, são uma realidade

COMPARTILHE
92

Há um bom tempo às construtoras vêm apostando em apartamentos e casas menores. Acredite, não é só pelo lucro. Os apartamentos pequenos já são uma realidade na vida de todos os brasileiros, o que sinaliza uma mudança cultural. Vai por mim, amigo leitor, nem tudo é por acaso.

Na Europa e América do Norte isso já é uma realidade antiga. Os europeus, por ser cultural não ter a característica do consumismo material. Querem um lugar para dormir, um bom trabalho, mas principalmente aproveitar a vida. Já o americano é por nunca ter tempo mesmo e estar quase sempre envolvido com o trabalho.

Acontece que em grandes centros você paga um preço muito alto por morar bem localizado. Quando digo preço alto, pode entender como preço de metro quadrado também.

Continua depois da publicidade

Sempre que fazemos uma avaliação imobiliária, o primeiro item a ser considerado é a localização. Concorda que o concreto usado no Gilberto Machado é o mesmo utilizado em outros bairros? É a localização quem faz a diferença.

E se ela faz tanta diferença, porque não diminuir o metro quadrado, mas não em preço e sim em tamanho? É o caminho que as construtoras encontraram para os clientes que precisam estar mais próximos do trabalho, no entanto não tinham como viabilizar isso.

Outro fator relevante é a ascensão da mulher no mercado. Antigamente, a função da mulher era cuidar da casa e dos filhos, não sendo necessária a contratação de alguém para fazer isso. Porém nós, mulheres, fomos à busca da independência social, profissional e financeira, não nos restando tanto tempo disponível para a arrumação e manutenção do lar. O que sabemos é que a mão de obra doméstica hoje é cara, são poucas as pessoas que realmente podem pagar uma empregada todo mês, e qual a solução? Apartamentos menores.

Vejam, os apartamentos menores foram aparecendo na medida em que as necessidades dos clientes compradores foram mudando, assim como a própria cultura das pessoas. Tornou-se uma realidade.

Para algumas pessoas, morar num imóvel de 50 metros quadrados ainda é assustador. Escuto muitas dúvidas frequentes, mas a área de serviço é a sempre a campeã, “onde irei pendurar minha roupa?” “não tem espaço”.

Meus caros, a tecnologia sempre pode está a nosso favor, e ela está. Para se ter uma ideia, foi lançado esse ano o menor apartamento da América Latina em São Paulo, com apenas 10 metros quadrados. É isso mesmo que você leu, 10 metros quadrados no total. O empreendimento da Construtora Vitacon tem preços a partir de R$ 99 mil. E como sobreviver a isso?

A área de lazer ao invés de ter apenas itens de lazer, tem itens de uso comum, como: lavanderia, horta, espaço para visitas, ferramentas, etc. Alguns itens e locais que antes não eram “muito utilizados”, porque não serem compartilhados? Exemplo: quantas vezes você usa uma furadeira no ano? Acredito que se você não exercer uma profissão que obrigue o uso, são pouquíssimos os momentos em que você a tirou da caixa de ferramentas. Então vamos dividir?

Provavelmente, muito em breve, veremos também como um item atrativo de área de lazer os carros. Não será mais um item pessoal, mas sim compartilhado. Acha isso uma realidade distante de nós? Pois não é. Cachoeiro já conta com condomínio com lavanderia como item de “lazer”.

O planejamento arquitetônico é item essencial para estes imóveis. Com um bom acompanhamento profissional é possível encontrar espaços inimagináveis dentro do imóvel.

Isto é uma mudança cultural que ultrapassa ser luxo ou moradia. Trata-se de qualidade de vida. Não é sobre morar perto do trabalho, é sobre não perder mais horas e horas da sua vida no transito todos os dias. Quanto vale isso? Como diz uma famosa propaganda, não tem preço.

Publicidade