Frei Gustavo Barbieri celebra nova idade / Veja os destaques da SOCIEDADE CAPIXABA

COMPARTILHE
193

CAMPANHA AJUDE AME O ARTHUR

FÉ – Celebramos esta semana o aniversário de Frei Gustavo Barbieri. Sacerdote de grande carisma que a Coluna admira. Desejamos saúde, paz, harmonia e grandes conquistas em sua vida pessoal. ACERVO PESSOAL
DEU CHUVA  – E quando o fotógrafo tem a boa sacada de aproveitar até o imprevisto? fotos do casamento Realizado em Cariacica -ES com os Noivos Natalia e Rafael – FOTO LEANDRO FURLAN
 
FOTOS EXCLUSIVAS DO CASAL
 

 

 

 

MISSÃO CUMPRIDA – Os professores da Faculdade de Direito de Cachoeiro de Itapemirim – FDCI comemoram a formatura de mais uma turma. A colação de grau foi realizada no auditório da IES com os alunos do período matutino. A FDCI os parabeniza pela conquista e registra o orgulho de ter sido por eles escolhida.
 
Continua depois da publicidade

 

‍ Parabéns

 

‍ Vocês são vencedores!!

 

Bacharelandos em Direito celebram o sucesso em Formatura da FDCI

  CLIQUE PARA VER AS FOTOS

 https://goo.gl/suRbJJ

 

 

 

Siga nosso Instagram @conexaoramonbarros

 


_________________________________________________________________________________
 
 
DESTAQUES DE HOJE
 

COMPETÊNCIA – Bom dia para as atendentes que fazem o dia a dia dos hóspedes bem melhor em Cachoeiro. FOTO RAMON BARROS

 

IMÓVEIS
Depois de passar um período de contenção, os lançamentos e vendas de projetos imobiliários deve crescer em 2018.
 
 
DÚVIDA
Mesmo com o cenário favorável, os financiamentos ainda não mostraram tendências, devido ao ano eleitoral, avaliam especialistas.
 
 
POSITIVO
Já a Associação Brasileira das entidades de crédito imobiliário e poupança estima um crescimento de 15% em financiamento imobiliário.
 
 
 
COMPRA
E a população deverá dar preferência aos imóveis prontos, para investimento ao invés de unidades em construção.

NO FUTURO
A pergunta “Aceita um cacto?” pode se tornar uma realidade. Segundo a Ong FAO das nações unidas.



SACIAR
Especialistas apontam as opúncias – cactos típicos do continente americano como potencial solução para a crise de fome prevista para as próximas décadas.



MENU
A mais cotada é a Opuntia ficus-indica, chamada popularmente de figueira-da-índia e comum em regiões semi-áridas como a caatinga brasileira e os desertos do México.

 



CONTEÚDO EXCLUSIVO ONLINE



 

Noivas meninas: As crianças casadas no Brasil

 

“Um homem queixou-se à sogra, porque sua mulher, de 12 anos, nunca estava em casa quando ele chegava. Passava as tardes brincando de boneca com a filha da vizinha, deixava a roupa sem lavar, a cozinha suja…”. Reportagem destrincha uma realidade pouco divulgada no Brasil: o casamento infantil

crianças casadas Brasil
Reportagem revela quem são as crianças casadas no Brasil (Imagens: Victor Moriyama/Revista CLAUDIA)

Patrícia Zaidan, MdeMulher

Nunca tinha ouvido falar em casamento infantil no Brasil até 2013. Fiquei estarrecida. Como podia ser verdade? Supunha que fosse uma realidade da África Subsaariana ou do Sul da Ásia, onde fome ou tradições e ritos se impõem. Quem deu a informação foi a assistente social Neilza Buarque Costa, da ong Visão Mundial, ao debater o documentário Girl Rising (Richard Robbins), segundo o qual 66 milhões de meninas estão fora da escola, em todo o Planeta, e uma das razões é o matrimônio precoce. Mas eu imaginei: se tem aqui, deve ser uma situação isolada num rincão profundo.
Por dois anos não me saiu da cabeça um caso da Paraíba, que Neilza contou à plateia: um homem queixou-se à sogra, porque sua mulher, de 12 anos, nunca estava em casa quando ele chegava. Passava as tardes brincando de boneca com a filha da vizinha, deixava a roupa sem lavar, a cozinha suja… Comecei a pesquisar. Tive notícias de tantas adolescentes se submetendo a um marido violento, com dois ou três filhos nos braços. E de homens – alguns com mais de 40 anos – que adoram casar com menininhas firmes de carne e a quem eles podem moldar o caráter.
O tema passou a me doer. A reportagem “Noivas Meninas” está nas bancas, na edição de janeiro, de CLAUDIA – um fôlego que juntou o fotógrafo Victor Moriyama, a estagiária Gabriela Abreu e eu. A primeira descoberta: não se trata apenas de casos em um grotão perdido. O casamento infantil ocorre na maior economia brasileira – a cidade de São Paulo -, na região metropolitana de Curitiba, no Tocantins, em Minas, nas capitais do Pará e Maranhão… Difícil descobrir onde não tem. Hoje, 554 mil garotas de 10 a 17 anos são casadas, calcula um estudo do Instituto Promundo, com base no IBGE, publicado em setembro passado. Como a lei considera crime o sexo com menores de 14, mesmo que consensual, a maioria das uniões é informal. Ainda assim, em 2013, Campo Grande casou no cartório o maior número de brasileirinhas. Partimos atrás de uma amostra nacional. O texto começa assim:
“Catingueiras magricelas e peladas, sol forte, uma cabrita, um bode e algumas galinhas são quase tudo que Ivonete Santos da Silva, 14 anos, vê ao longo do dia e por semanas a fio. Mãe de Rayslani, 1 ano, ela dorme cedo. A casa de taipa onde vive, no sítio Lagoa Nova, em Inhapi (AL), a 289 quilômetros da capital, Maceió, não tem lâmpadas nem TV. Ivonete juntou-se aos 12 anos com Sislânio Silvério, 21, seu primo. Deixou a escola sem aprender a unir as letras: “Era aperreio demais, tudo acontecia na hora do almoço, tinha que fazer comida, me arrumar, sair para estudar”. Não se arrepende. “Só quando estou bem estressada, limpando a casa, e a menina acorda chorando, penso: ‘Meu Deus, o que eu fiz?’ ” Ainda assim, considera que está melhor do que no tempo em que vivia na casa materna. “Um dia, saí calada, o povo estava todo lá pra dentro. Fui embora com Sislânio.” Ele trabalha na roça. Quando tem roça. Há cinco anos, o sertão enfrenta uma seca bruta; a terra está tão dura que é impossível plantar. Na única panela, no fogãozinho de barro, há feijão. Ivonete não faz planos, não pronuncia desejos – pelo menos a estranhos que invadem sua rotina -, mas responde como se sente: “Não sei direito. Sou um pouco mulher, pequena demais, meio criança também”. Quando fecha os olhos, do que se lembra? “De mim desenhando pé de maçã, árvore de morango.” Mesmo que morangos amadureçam a não mais que 30 centímetros do chão, era esse seu deleite na sala de aula. Queria ser professora, acha que não dá mais tempo. “Espero que minha filha case bem tarde, só com 17 anos, e não engane a escola para aprender tudo bem direitinho”, diz.
meninas casadas Brasil
Ivonete da Silva, 14 anos, é mãe de Rayslani, de 1 ano. Thainá Darri, 17, casada desde os 15, está grávida e desistiu de estudar (Imagem: Victor Moriyama/Revista CLAUDIA)
Depois de Inhapi, percorremos Canapi (AL), Colombo (PR), e uma das maiores favelas do país, Heliópolis – não haveria nenhuma dificuldade de encontrar meninas casadas nessa comunidade paulistana. Enquanto Victor fotografava, ali, Thainá Darri, 17 anos, casada desde os 15, dezenas de meninas iam se juntando para saber o que fazíamos. Dei a pauta e elas quiseram saber porque tanta curiosidade sobre algo tão comum. Várias, entre 14 e 16, carregavam um filho.
Thainá é um caso diferente, tem uma consciência política clara, é feminista, está no conselho do meio ambiente da região e é a única das entrevistadas que concluiu o segundo grau. Acabava de receber o resultado do laboratório – positivo para gravidez – e decidiu adiar os planos de fazer uma faculdade. No seu discurso, me chamou a atenção a explicação para seu casamento aos 15: queria privacidade com o namorado e, de certa forma, proteção. “Aqui, as meninas se jogam no funk, bebem e nem sabe quem é o pai do filho delas. O casamento me poupou disso.”
meninas casadas Brasil
Ana Clara e o marido Jaílson
Mãe de Michel Júnior, casada em Canapi desde os 14, Ana Clara dos Santos, 16, fugiu de casa para ficar com seu amado, Jaílson de Oliveira, na época com 16. Duro para ambos é deixar o bebê aos cuidados da mãe de Ana, porque eles não têm condição financeira de criá-lo. A alagoana Jamille Henrique ganhou, aos 14, uma aliança e se viu livre da lida pesada com seus oito irmãos, além do jugo do pai alcoólatra. Embora tenha em Marcelo um parceiro divertido, e com quem gosta “de brincar e de fazer sexo”, seu semblante é triste e sua concepção sobre a vida de mulher, medonha: “Todas apanham. Não acho bom, mas é o que acontece”.
Monique e sua Maria Clara
Monique e sua Maria Clara
Monique Barbosa, aos 15, parece uma madonna, de Michelangelo, com sua Maria Clara sempre a tiracolo. Essa Pietá de Colombo (PR), queria ser policial, mas desistiu, está fora da escola, cansada dos afazeres domésticos e do ciúme do marido. Na mesma cidade, Joyce Pinheiro, mãe de gêmeas aos 15, teme as estrias e que o marido a troque por uma menina mais magrinha. Ela conta: “Das 20 colegas que estudavam comigo, 16 estão casadas ou são mães solteiras”. Ouvimos vários especialistas para entender o fenômeno.
Joyce, Kauany Vitória e Karyne Manuele
Joyce, Kauany Vitória e Karyne Manuele
Saio das reportagens carregando as personagens em mim. Demoro a tirá-las do pensamento. Ivonete, a sertaneja do sítio sem luz, me abraçou longamente quando nos despedimos. Prometi enviar uma revista para alguém ler para ela. E também uma fotografia ampliada. Essa menina-mãe nunca teve uma foto sua. De todas as personagens, foi a que mais interagiu com a câmera. Tem uma força no olhar inexplicável. Encarava as lentes de Victor com muita naturalidade e firmeza. Fico imaginando como Ivonete fará para desamarrar o nó, desbancar seu destino e vencer as agruras todas que enfrenta desde o nascimento. Algo me diz que ela vai conseguir.
PS.: A íntegra da reportagem está na revista CLAUDIA, já nas bancas, ou A Q U I
 

 

 

Publicidade