Empatia: a palavra chave do Mova-se

COMPARTILHE
153

Desde que escrevi pela primeira vez aqui, recebi inúmeras mensagens e conheci muitas pessoas interessantes. Isso gerou fruto e, o que até então era só uma maneira esporádica de falar sobre a inclusão, acabou virando um projeto. Nasceu o MOVA-SE!

O projeto tem um pilar central: incluir. É importante dizer que cadeiras de rodas, muletas, bengalas e afins não são prisões, embora quem olhe de fora acabe achando que sempre se perde algo quando se tem que usá-las.

Porém, fato é que o que nos aprisiona não são essas coisas. Pelo contrário, elas são nossas aliadas para fazer o que todo mundo faz. Nossa “prisão” está ao redor, numa calçada esburacada, num comércio inacessível, num restaurante sem o nosso banheiro, num estacionamento que não respeita a nossa vaga, ou num empregador que não se permite apostar em nosso potencial, por julgar o livro pela capa.

Continua depois da publicidade

O MOVA-SE tem o objetivo de tirar a venda das pessoas para que elas passem a enxergar a situação de uma maneira mais ampla. É inerente ao ser humano, muitas vezes, não se atentar ao que não lhe afeta diretamente. É normal. Não se ache a pior pessoa do mundo, se você nunca parou para pensar sobre isso. A intenção é justamente apresentar uma nova ótica, a nossa, para que as coisas se adequem.

Se há um estabelecimento que está sempre cheio, mas que nenhum ou quase nenhum deficiente frequenta, muito provavelmente este local ainda seja uma “prisão”. Nesse caso, se você for o dono, procure o Mova-se. Lá, com certeza, você terá com quem tirar todas as suas dúvidas sobre como se adequar. E, se você for apenas um frequentador, dê um toque, peça a quem for o responsável para se dispor a uma conversa.

Em resumo, o projeto está aberto para todo mundo, seja você deficiente ou não, conheça você um deficiente ou não. Entre em contato conosco para saber mais. Tornar o mundo mais acessível é um dever de todos. Vamos deixar as prisões para quem de fato as mereçam.

Publicidade