É CHEGADA A HORA!

COMPARTILHE
107

Essa coluna sempre alternou assuntos jurídicos com temas políticos, propositalmente, reconheço! Afinal as duas ciências tem similitudes que, em dados momentos, uma integraliza a outra.

Que as redes sociais deram maior amplitude ao debate político, isto é inegável. Basta ter acesso à Internet, que opinião é o que não falta neste momento. Saudável, louvável!

No início do ano escrevi sobre as “Fake News” e a ameaça que poderiam causar nestas eleições, errei. Errei feio! Ainda que venha provocar algum desconforto, as notícias falsas até a presente data não protagonizaram o enredo enfadonho das campanhas eleitoreiras. Facilmente constatadas, não revelaram-se o monstro que era esperado, bastando uma pesquisa simples e pronto, desmonta-se a fraude!

Continua depois da publicidade

O mesmo não se pode concluir com a enxurrada de “Cabos Eleitorais” de seus “ídolos supremos”. Campanhas foram criadas, difundidas e patrocinadas por cidadãos comuns e artistas, no afã de persuadir a convicção do seu próximo. Isto sim acomete o racional. Como num estádio de futebol, o cidadão é levado a pensar como as “massas”, defender algo que sequer possui consciência ou opinião formada. Milhões em nosso país nem sabem o que está acontecendo e a profundidade desse tema.

Defender o propenso candidato não é uma máxima desta eleição, maldizer o concorrente sim! A afeição ao candidato preferido é quase que sagrada, e mais uma vez cega nosso povo por um plano efêmero de poder, em detrimento de um projeto de nação!

Enfim, não é demais dizer que a corrupção dos últimos 16 anos, segmentou intencionalmente a sociedade em grupos que hoje, não aceitam opiniões divergentes. Para ocultar os ilícitos hecatombicos, confrontaram cidadãos e assim desnortearam o que realmente importava… trabalho, saúde, educação.

Seja lá quem sair vitorioso dessas eleições, terá um país igualmente fragmentado em 2019, afinal as manchas não sairão com água e sabão. É preciso pintar novamente, começar do zero, colorir nossa história e deixar de ser expectativa para ser NAÇÃO.

Se conselho fosse bom, eu daria. No entanto, meu pitaco tem subjetividade pra ser externado numa ocasião tão inóspita.

Política é coisa séria, embora a maioria dos políticos não sejam sérios e confiáveis. Espero, ainda assim, que o Brasil melhore, que haja paz e, sobretudo, entendimento entre todos. Que educação, saúde e segurança não sejam apenas palavras de retóricas, mas que possam ser melhoradas e valorizadas em prol de todos. Querendo ou não, teremos eleição e muitos candidatos serão eleitos. Que todos nós possamos fazer a nossa parte!

Ahh e quanto ao conselho, limito-me em sugerir… NÃO REELEJA NINGUÉM!

AUTOR: DR. IGOR FONSECA – Advogado – Pós-Graduado em Direito e Processo do Trabalho.

Publicidade