Decretos de emergência e calamidade viram farra com dinheiro público

COMPARTILHE
Decretos de emergência e calamidade viram farra com dinheiro público
2674
Advertisement
Advertisement

Com a pandemia do coronavírus está aberta a temporada de farra de compras com a dispensa de licitação, amparadas em decretos emergenciais e de calamidade pública. No meio político não se fala em outra coisa a não ser este momento onde muitos aproveitam, para com recursos públicos, fazer o caixa para a campanha eleitoral que se aproxima.

Continua depois da publicidade

Depois que foram criadas novas regras que impediram doações de recursos de empresas para financiar as campanhas eleitorais, os políticos, com o poder da caneta ou não, precisaram se virar nos 30 para angariar recursos e ter mais vantagem na hora de disputar as eleições. Se antes as empreiteiras pagavam comissões por fora em contratos, e muitos casos se tornaram públicos e alvos de investigação, agora com o impedimento das doações a coisa ficou ainda pior, pois é preciso mais empenho para firmar negócios escusos.

O coronavírus chegou para “dar aquela luz no fim do túnel” a alguns políticos que não se importam com o dinheiro público e com o bem-estar de sua cidade, visando a sempre cuidar de seus próprios interesses.

Não é difícil de encontrar nos diários oficiais compras das mais diversas espécies com valores fora da realidade de mercado, mas que estão amparadas nos decretos. A fiscalização por parte das entidades do judiciário fica a critério de cada comarca.

Essas compras vão desde gasolina, alimentos, pneus em quantidade absurda para prefeitura que possui 90% de sua frota alugada, contratações de empresas por cifras milionárias para realização de consultoria, aluguéis de tendas e aquisição de produtos essenciais na prevenção ao coronavírus com preços bem acima do praticado no varejo.

O povo já paga muito caro pela corrupção de seus representantes, cujos roubos resultam na pobreza, fome, miséria, caos na saúde pública e desemprego. O País ensaiava um recuperação econômica, mas essa pandemia trouxe, além da crise na saúde e na economia, a oportunidade de roubar com permissão!

A população não é boba e está atenda à farra com o dinheiro público. Nas eleições deste ano, é preciso ter sabedoria na hora do voto, evitando que sanguessugas continuem no poder surrupiando os cofres públicos mantidos com o tão suado tributo do cidadão.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.