Como a escolha do imóvel certo pode definir as lembranças da infância do seu filho. Casa ou apartamento?

COMPARTILHE
42

Em homenagem ao dia das crianças, essa semana irei apresentar as vantagens e desvantagens que podem definir a escolha do seu imóvel para quem pensa em oferecer o melhor para o seu filho, uma dúvida comum entre os pais que estão diante desta decisão.

Afinal, a vida social será fortemente impactada por esta decisão, assim como foi a minha. Quando criança, residi um tempo da infância tanto em casa quanto em apartamento. E irei compartilhar como esta mudança influenciou em minha formação pessoal.

Uma característica vantajosa e essencial para apartamento é espaço. Quando se escolhe o apartamento para moradia, ter espaço para que a criança possa brincar se movimentar é uma solução.

Continua depois da publicidade

Melhor ainda se tiver um espaço específico para isso: o querido playground. A interação social que existe nesse ambiente cria laços de amizades, não só entre os filhos, mas também entre mães que levam seus pequenos.

Mas, sem dúvida, uma das maiores vantagens de residir em apartamento é a segurança. Permitir que seu filhote se divirta com seus amigos em um local seguro para isto, é o que leva muitos pais a decidirem por esta opção.

Em alguns condomínios, há divisões por idade, como é o caso em Cachoeiro do Condomínio Residencial Club Beira Rio, obra da Creta Construtora. Há espaços para bebês, crianças de 2 a 8 anos, crianças a partir de 8 anos. Obviamente que a limitação dos espaços não é feita por idade, mas sim de uma forma natural, visto que há babylandia, jogos teens, quadra poliesportiva, playground.

Porém, se você gosta de mais privacidade, a casa pode ser uma opção. O apartamento tem as desvantagens de se limitar ao que o condomínio oferece, ou às vezes, nem isso.

Nesse caso, sua melhor escolha pode ser a casa. Ela naturalmente fornece para toda a família uma opção maior de privacidade e liberdade. Se com o passar do tempo, a casinha da árvore já não é mais interessante, o pai e a mãe tem a liberdade de transformar aquilo em um novo ambiente, de acordo com o crescimento dos filhos.

Além disso, a interação com a natureza é sempre um fator interessante. A maioria das casas dispõe de um jardim, quase sempre o local preferido dos guris para soltar a imaginação.

Quando tem piscina então, é um ponto de encontro dos amigos, local marcado para festinhas, cinemas, trabalhos de escola. Com a possibilidade de explorar mais que cômodos, a criança tem chances de crescer mais desprendida.

Foi o que aconteceu comigo. Como disse, tive a experiência de crescer nos dois, em casa e apartamento. Quando em apartamento, lembro que minha mãe, Marilene Tófano, e meu pai, Luiz Carlos Tófano trabalhavam fora e só chegavam à noite, completamente despreocupados com a minha segurança. Eu residia no Condomínio Residencial Atila Vivacqua, no bairro Independência, condomínio fechado que tem uma pracinha e um campinho, ocupados todos os dias por mim e minhas amigas de infância.

Incrível como os laços criados nesses ambientes que, a princípio, é apenas cimento e concreto, se mantém vivos até hoje. A imaginação era só o pontapé para passarmos horas e horas inventando brincadeiras e brincando de pique todos os dias. Sem dúvida, influenciou muito para minha formação social.

Quando me mudei para casa, senti uma grande liberdade. Por minha casa ter piscina, minhas amigas estavam sempre lá, e é assim até hoje. Os churrascos da turma, aniversários da família, tudo rolava por lá. E os amigos adoram. A autonomia que a casa gera é indiscutível.

A decisão que você toma pelo seu filho é sempre a que você acredita ser a melhor para ele. E isto é muito importante na hora da escolha do seu imóvel, pois isto irá ditar as lembranças da infância. Procure sempre orientação profissional para saber qual é a melhor opção para você.

Publicidade