Ausência de educação financeira no Brasil é o problema

COMPARTILHE
96
Advertisement
Advertisement

Os índices de inadimplência no país estão sufocantes!

Mas será que investir em educação financeira básica, na alfabetização, será o bastante? Temos tempo para aguardar que a nova geração, conserte tamanho retrocesso?

A sensação que dá, é que somente com um botão RESET, seria possível começar do 0. Ainda assim não seria o bastante. Os erros de outrora seriam cometidos novamente, mais cedo ou mais tarde, afinal, o que o brasileiro não possui é conhecimento financeiro básico, agravado com uma porção exorbitante de indisciplina. É sistemático, para não dizer comportamental. É o puro e simples desconhecimento sobre como lidar com dinheiro!

Advertisement
Continua depois da publicidade

Do que adianta receber uma polpuda herança de quem soube governar aqueles ativos durante décadas, se com um piscar de olhos, o compulsivo coloca tudo a perder?

Do que adianta ter a boa intenção de empreender, sem o jeitinho astuto do avô empreendedor do passado, que hoje confronta-se com o denominado “know-hall” do neto?

Empreender por sinal, vai muito além do conhecimento financeiro para lograr o sucesso almejado. Tem que ter tino, simpatia, inclinação para a coisa que se propõe empreender.

De outra banda, não é apenas o desemprego que faz o endividado. O consumidor por sua vez, consome sem saber consumir. 40% das reclamações nos Procon’s são relativos à renegociação de dívidas. Muito disso, devido ao analfabetismo financeiro que acomete parcela expressiva dos brasileiros, e o pior… Quanto maior a inadimplência, mais restrições para o parcelamento de compras e mais elevados os juros nos empréstimos, alimentando um ciclo vicioso contrário ao crescimento econômico e ao emprego.

São 64 milhões de endividados em solos tupiniquins. Temos o equivalente a uma Itália inteira, inadimplente dentro do Brasil!

Com esta receita meu amigo (CNPJ’s e CPF’s endividados), qual país consegue avançar economicamente? Acreditam mesmo, que medidas como liberação do saldo de FGTS vai resolver alguma coisa? Beira a ingenuidade!!!

Governo (através do Ministério da Educação), Congresso Nacional, órgãos como a FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos, e a iniciativa privada em geral, deveriam voltar suas atenções ao estado calamitoso que assola empresas e cidadãos brasileiros, sob pena de um colapso irreversível na economia desse país.

Em suma, o superendividamento atual é insustentável e se não houver meios efetivos atuais e urgentes, não haverá tempo para os jovens de hoje compreender o que devíamos ter aprendido nas escolas ainda na década de 80!

 

AUTOR: DR. IGOR FONSECA – Advogado. Presidente da Comissão de Direito do Consumidor da OAB Cachoeiro de Itapemirim. Pós-Graduado em Direito e Processo do Trabalho.

Advertisement