A arrogância e a prepotência devem passar longe do Consórcio Intermunicipal do Caparaó

COMPARTILHE
423
Advertisement
Advertisement

O consórcio do Caparaó, com seus 25 anos de existência, foi sem dúvida o grande instrumento de transformação, dessa que é sem dúvida a mais promissora de todas regiões de turismo do Espírito Santo.

Continua depois da publicidade

Digo isso, pois acompanho de perto todo esse caminho, que começou lá nos fóruns de desenvolvimento regionais e passou por diversas fases, alternando momentos ótimos e bons, mas nunca de incertezas como de algum tempo para cá.

Como era bom participar dos disputados encontros do Consórcio do Caparaó, com seus entes políticos e comunidade. Muitos foram os debates promovidos pelo consórcio, que tinha a participação maciça das ongs e associações diversas, que representavam de verdade o nosso povo do Caparaó, a nossa essência de gente que queria batalhar pelas conquistas, uma a uma, do lugar onde viviam.

Porém, o tempo foi passando e talvez pelo desinteresse de alguns e pelo cansaço de outros a instituição foi aos poucos perdendo representatividade, força e unidade, passando a ser usada única e exclusivamente como trampolim político para algumas lideranças que só olham seus objetivos individuais, se esquecendo da verdadeira missão dessa importante ferramenta de desenvolvimento econômico e cultural da região do Caparaó.

Hoje, o Consórcio do Caparaó se encontra rachado, haja vista as eleições acontecidas nesta sexta-feira (26), onde o resultado de um empate entre o atual presidente, Luciano Salgado, o Pingo, prefeito de Ibatiba, e o prefeito de Divino de São Lourenço, Eleardo Brasil, mostra claramente o momento confuso de descaminhos que vive está instituição, que já foi exemplo para o Brasil.

O jovem e promissor prefeito de Ibatiba, talvez ferido em seu ego, por sua fracassada tentativa de dirigir a Amunes (Associação dos Municípios Capixaba), que vai eleger o prefeito de Cachoeiro de Itapemirim, Victor Coelho, para  o próximo pleito, tentou se viabilizar para presidência do Consórcio Intermunicipal do Caparaó, onde disputou o seu terceiro mandato, mesmo sem poder, já que o que o estatuto da instituição não permite, pois está escrito no mesmo que cada presidente tem direito a apenas uma reeleição.

Segundo fontes, o atual presidente do consórcio, ao verificar sua eminente derrota no pleito tentou ainda emplacar a candidatura do prefeito de Ibitirama, Paulo Lemos, mas a proposta foi rechaçada pelos próprios prefeitos que pediram mais tempo para tentarem uma escolha em consenso.

O fato é que esta eleição mostra que a duração dada pelo atual presidente Luciano Salgado está longe de ser o que o Consórcio do Caparaó precisa para tomar forma de novo e seguir em frente nessa batalha que ainda se mostra muito árdua, na tentativa de desenvolver a região e seus componentes.

O consórcio precisará, como nunca, de uma gestão harmoniosa, com muito diálogo e muita gentileza com quem mais trabalha pelo desenvolvimento dessa nossa encantadora região. O Consórcio do Caparaó precisa valorizar e tratar muito bem o seu corpo técnico, que hoje é quem faz os movimentos reais de transformações de cada município caparaoense, e acima de tudo se tornar uma grande ferramenta de apoio aos tão combalidos municípios que compõem a instituição.

Que Deus em seu infinito amor, por nossa região do Caparaó, possa trazer para a direção do consórcio um prefeito chegado ao diálogo, a interação e bem articulado para buscar caminhos que nos levem a soluções práticas e urgentes para resolver os enormes gargalos que temos pela frente.  Não a arrogância e a prepotência, e sim ao diálogo e a ternura!

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].