Ação social no currículo

COMPARTILHE
454

Os universitários brasileiros têm se dedicado mais às ações sociais. O tema vem sendo cada vez mais abordado, debatido e trabalhado nas salas de aula.
Assuntos como sustentabilidade, ajuda ao próximo, inclusão e soluções de mobilidade já fazem parte de projetos, TCCs, dissertações e todo o tipo de trabalho acadêmico.
Estudos comprovam que os alunos de ensino superior que atuam no voluntariado tendem a levar esse hábito em suas ações a cada projeto no mercado de trabalho.
Em Cachoeiro de Itapemirim, alunos da Faculdade Multivix participam de diversas ações envolvendo cidadania, saúde e melhoria da qualidade de vida das pessoas. “É uma das contrapartidas que nos comprometemos com cada local que atuamos, beneficiando toda a comunidade através de projetos sociais”, afirma a diretora, Alcione Cabaline Gotardo. Em 2018, uma gama de novos projetos serão implementados.

 

Continua depois da publicidade

A associação de pais e amigos dos excepcionais – APAE, por exemplo recebeu 181 presentes de Natal dos alunos. Já o Lar de Idosos Adelson Rebello recebeu 43 presentes. Nas duas instituições os estudantes da instituição adotaram pedidos feitos por cartas. Duas árvores solidárias foram montadas nos campi 1 e 2, em Cachoeiro.
Para Cintia Melo Silva Gaspar, gerente do Lar Adelson Rebello, essas ações fortalecem o emocional dos idosos que vivem no local. “Muitos ficam esquecidos até pela família, então quando recebem visitas que realizam seus pequenos sonhos é como voltar a ter mais motivação para viver”, conclui Cintia.

 Compromisso

Apesar de voltado para o próximo, as ações de voluntariado trazem diversas vantagens para quem as pratica.
Diversas empresas hoje em dia buscam atuar de forma social no meio onde geram empregos e tributos. E para isso recrutam pessoas que já tiveram alguma experiência. Daí, quando o aluno Multivix chega ao mercado de trabalho leva mais bagagem no currículo.

“Os projetos qualificam pessoas para a inserção no mercado de trabalho para que possam participar ativamente da vida cientifica, cultural, social e política da sociedade”, explica Alcione Gotardo.

Publicidade