Política Regional

Deputada eleita teme falta de decoro na Ales pelo fato de ser mulher

Apesar dos avanços, a desigualdade e discriminação contra o sexo feminino ainda é muito presente nos espaços de poder

COMPARTILHE
Foto: Mayara Donaria/Instituto Marielle Franco
373
Advertisement
Advertisement

A deputada eleita Camila Valadão (Psol) aponta o fato de ser mulher como principal desafio do seu mandato na Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales).

Advertisement
Continua depois da publicidade

Conforme explica a ex-vereadora da cidade de Vitória, apesar dos avanços obtidos ao longo dos anos, a desigualdade de gênero e a discriminação contra o sexo feminino ainda é muito presente nos espaços de poder.

“Penso que um dos grandes desafios que nós teremos na Assembleia, como em todos os espaços do Parlamento, sem dúvida, é o fato de ser uma mulher. Portanto, ser impactada em virtude das desigualdades, da violência de gênero. Foi assim na Câmara de Vitória e acredito que também será na Assembleia”, explica Camila Valadão.

Representatividade feminina

Diante desse obstáculo, a parlamentar, de 38 anos, pretende apostar em um mandato atuante e combativo para romper barreiras e amplificar, cada vez mais, a voz feminina na política nacional.

Continua depois da publicidade

“Reivindicando direitos e garantias para as mulheres nos espaços políticos, igualdade. Denunciando as tentativas de violência, cerceamento, nós esperamos que isso não aconteça no espaço do Legislativo estadual. Esperamos que tenha mais decoro na Assembleia Legislativa. Enfrentamos muito a falta de decoro, pra dizer o mínimo, na Câmara de Vitória”, afirmou.

Dos 30 deputados que vão compor a próxima legislatura da Ales, apenas quatro são do sexo feminino. Além de Camila Valadão, o Poder Legislativo estadual também contará com as deputadas Iriny Lopes (PT), Raquel Lessa (PP) e Janete de Sá (PSB).

Advertisement
Advertisement
Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.