Variedades

Mulher de Eduardo Bolsonaro se explica sobre viagem ao Catar

Além de provocar críticas de opositores de Eduardo e do presidente Jair Bolsonaro (PL), a ida também resultou em uma avalanche de comentários de bolsonaristas insatisfeitos, que têm boicotado os jogos da Copa

COMPARTILHE
Mulher de Eduardo Bolsonaro na Copa
Foto: Reprodução
260
Advertisement
Advertisement

A psicóloga e influencer Heloísa Bolsonaro, mulher de Eduardo Bolsonaro (PL-SP), divulgou nesta quinta-feira (1), uma nota em que tenta explicar a viagem que ela e o filho do atual chefe do Executivo fizeram para assistir à Copa do Mundo no Catar.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Além de provocar críticas de opositores de Eduardo e do presidente Jair Bolsonaro (PL), a ida também resultou em uma avalanche de comentários de bolsonaristas insatisfeitos, que têm boicotado os jogos da Copa e protestado contra a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em frente a quartéis e rodovias.

“Ter ido para a Copa, representando nosso Brasil, foi algo organizado para ser vivido num momento de felicidade. Quando tivemos o resultado da eleição ficamos arrasados e sem clima para nada. Por várias vezes discutimos ‘qual o clima de irmos viajar?’. Mas não viemos apenas para assistir um jogo. Quem só enxerga isso, não vê adiante o que existe por trás”, afirmou Heloísa em uma postagem no Instagram.

“Eduardo é uma figura que transita muito bem internacionalmente e independentemente do que possa acontecer no Brasil, mais do que nunca, é preciso manter isso. Não é sobre futebol. Essa é uma visão muito simplista”, declarou ela. O filho “03” do presidente foi o responsável durante o governo do pai por articular reuniões com representantes de direita e extremistas da política mundial, como Steve Bannon, que foi estrategista do ex-presidente americano Donald Trump.

Continua depois da publicidade

Em nota, a Câmara declarou que o deputado “informou, no dia 23 de novembro, à Presidência da Câmara dos Deputados que ficará ausente do país entre os dias 23 de novembro e 5 de dezembro, quando estará em viagem de caráter particular ao Oriente Médio”. De acordo com a Casa Legislativa, a viagem dele não foi bancada com recursos públicos. “Não há ônus para a Casa”, afirmou a instituição. Questionada pelo Estadão, a Câmara se recusou a enviar o ofício em que o deputado informa isso e alegou que é “um ofício interno”.

Pen drives

Na terça-feira (29), Eduardo Bolsonaro divulgou um vídeo comentando a viagem e disse, com uma mão cheia de pen drives, que uma das razões da ida ao Catar foi mostrar a “situação do Brasil” para representantes de outros países.

O vídeo virou piada nas redes sociais, com mensagens dizendo que o deputado foi ao país para vender pen drives e que ele desconhece a tecnologia de armazenamento e compartilhamento por nuvem. “Quem está zombando do pen drive não faz ideia de que certas conversas e certos assuntos só podem ocorrer pessoalmente e com o conteúdo em mãos”, afirmou a psicóloga.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Heloísa, que costuma compartilhar rotineiramente sua vida pessoal no Instagram, afirmou que reduziu as postagens com esse teor após o sogro ter perdido para Lula na eleição presidencial deste ano. “Desde o resultado das eleições tenho usado meu perfil de Instagram praticamente para fins de trabalho. Parei de dividir meu dia a dia como antes fazia, por simplesmente as coisas não estarem normais, nem bem e nem feliz”, disse.

De acordo com ela, a viagem ao Catar não foi feita de forma sigilosa. A ida dela e de Eduardo Bolsonaro ao mundial de futebol só foi descoberta após eles aparecerem em uma transmissão da Fifa na segunda-feira, 28, durante o jogo entre Brasil e Suíça. “Eduardo e eu fomos assistir ao jogo do Brasil na área de convidados da Fifa, cercados de imprensa. Não estávamos disfarçados, tiramos fotos com vários brasileiros. O tal flagra não foi um flagrante, foi algo esperado visto que estávamos em um lugar público e de holofotes”.

Pagamento parcelado

Ela também negou que recursos públicos tenham sido usados para financiar a ida ao país árabe. “Uma viagem ao Catar não é planejada em um mês. Assumimos o compromisso com o anfitrião 1 ano atrás e no início deste ano começamos a pagar parcelado. Não houve ônus para Câmara e nem jatinho privado, como a esquerda começou a inventar”.

Lauriberto Pompeu
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.