Variedades

Drama 'Aftersun' promove uma reconciliação com a memória

COMPARTILHE
25
Advertisement
Advertisement
Advertisement

Quase oito anos atrás, Charlotte Wells estava naquele dilema de todo cineasta com alguns curtas-metragens no currículo: o que falar em seu primeiro longa? Sua primeira ideia foi quase singela, um filme que acontecesse no espaço e no tempo limitados pelas férias de verão. Como no seu caso a maior parte delas foi passada com o seu pai, era natural que ela gravitasse em direção a um relacionamento de pai e filha. O que a escocesa não sabia é que Aftersun seria muito mais do que isso.

Continua depois da publicidade

O filme chega aos cinemas brasileiros antes de ser lançado na plataforma de streaming Mubi, em data a ser definida. Fez barulho no Festival de Cannes, mesmo exibido na discreta Semana da Crítica, de onde saiu premiado. Ganhou o Troféu Bandeira Paulista na última Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. “Ah, queria tanto ter estado aí”, disse a diretora ao Estadão, poucos dias antes de receber o Gotham, o Oscar independente da Costa Leste americana, como diretora-revelação.

Aftersun tem conquistado o público pelo coração, mesmo evitando as emoções derramadas. No longa, a menina Sophie (Frankie Corio) vai passar férias com o pai, Callum (Paul Mescal, da série Normal People), na Turquia, nos anos 1990. Ele é jovem e separado da mãe da menina. Os dois passam os dias à beira da piscina, ou fazendo alguns passeios. Conversam, discutem. Poderia ser apenas um filme sobre a relação terna e por vezes complicada entre pai e filha.

MEMÓRIAS

Continua depois da publicidade

Mas depois de um tempo Charlotte Wells percebeu que Aftersun não era de jeito nenhum o que ela pensava. “Eu acho que ele sempre foi o que acabou sendo. Mas, se eu tivesse começado com a ideia de realizar esta obra, eu nunca teria feito”, revelou. “Meu cérebro estava convencido de que eu estava fazendo um filme sobre férias. Depois que era um longa sobre pai e filha. E finalmente viu que era uma obra sobre memória e luto”, contou Wells, que perdeu o pai quando adolescente.

No filme, a hoje adulta Sophie relembra aqueles dias e a relação com seu pai, um homem tão próximo e, no entanto, tão desconhecido. As memórias produzidas pela pequena Sophie, com a ajuda de uma câmera, e aquelas que ficaram guardadas sob a percepção infantil ganham novos significados. A Sophie de agora busca uma reconciliação com o passado.

Para Wells, foi um processo longo de descoberta e de mergulho em seus próprios sentimentos. “Passei muito tempo procurando minhas memórias, me lembrando detalhes dos lugares, da relação, de acontecimentos”, lembrou a diretora. Mas aquela necessidade de expressão do que estava dentro foi se transformando em algo com identidade própria. “Tive de deixar o filme ser o que tinha de ser”, afirmou. Ela tem dificuldades hoje de falar sobre como Aftersun reflete a sua relação com o pai. “Para mim é complicado traçar uma linha separando o que é pessoal. É muito mais fácil falar sobre as escolhas criativas do que sobre sua conexão comigo, até porque ela progrediu ao longo do tempo.”

Advertisement
Continua depois da publicidade

Mas, por ser uma produção tão pessoal, é com certa surpresa que ela tem visto as pessoas se conectarem tanto e tão profundamente com o filme, seja em Cannes ou em São Paulo. “Pode ser que tenha a ver com a pandemia, com as pessoas saindo do longo período de solidão em que tiveram de refletir sobre o passado, as escolhas e o que querem do futuro.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mariane Morisawa, especial para o Estadão
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp e fique por dentro de tudo! Basta clicar aqui.