Economia

EUA: redes de fast food se unem para derrubar lei da Califórnia sobre novo mínimo

COMPARTILHE
33
Advertisement
Advertisement
Advertisement

McDonald’s, Starbucks, Chipotle Mexican Grill e outras grandes redes de restaurantes estão se unindo para gastar milhões de dólares para tentar derrubar uma nova lei da Califórnia (EUA) que poderia definir o salário mínimo do Estado para a indústria de fast food em até US$ 22 por hora no próximo ano. A coalizão “Save Local Restaurants” disse na sexta-feira (30) que levantou US$ 12,7 milhões para combater a lei, conhecida como “Fast Recovery Act”.

Continua depois da publicidade

Marcas corporativas contribuíram com US$ 9,9 milhões e franqueados individuais doaram US$ 2 milhões, incluindo proprietários de redes KFC e McDonald’s. As associações comerciais respondem pelo resto, segundo a coalizão. “Os californianos vão arcar com o custo desta nova lei, então é justo que eles digam se ela deve ser mantida”, disse Matthew Haller, presidente da Associação Internacional de Franquias.

Gavin Newsom, porta-voz do governador da Califórnia e um democrata que assinou o “Fast Recovery Act” em lei em 1º de setembro, não quis comentar.

O McDonald’s contribuiu com cerca de US$ 360.000, enquanto vários franqueados individuais da rede doaram separadamente milhares de dólares cada. Burger King, Subway e Domino’s Pizza doaram US$ 250.000 cada, enquanto Wendy’s contribuiu com US$ 150.000, mostra o arquivo.

Continua depois da publicidade

O salário mínimo atual da Califórnia é de US$ 15 por hora e deve aumentar em 50 centavos no próximo ano. A lei exige que a Califórnia crie um conselho de dez pessoas, incluindo trabalhadores, representantes sindicais, empregadores e defensores de empresas, que poderia definir um salário mínimo para trabalhadores de fast food no próximo ano de até US$ 22 e reajuste anual com base na inflação.

A lei se aplicaria a redes de fast food com mais de 100 locais em todo o país. Também proíbe os operadores de retaliar funcionários que fizerem reclamações e estabelece estrutura para a reintegração de salários atrasados ou emprego para aqueles que o fizerem.

Os opositores precisarão enviar cerca de 623.000 assinaturas de eleitores válidas até 4 de dezembro para suspender a lei e se qualificar para um referendo na votação de novembro de 2024, segundo o Estado. Os apoiadores do referendo geralmente gastam milhões de dólares na Califórnia para reunir as assinaturas necessárias para entrar nas urnas e normalmente precisam coletar mais do que o mínimo, pois funcionários eleitorais podem desqualificar algumas.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Os defensores da lei também precisam coletar assinaturas de dez mil funcionários de restaurantes de fast food para estabelecer oficialmente o conselho. O Sindicato Internacional dos Empregados de Serviço, que deve desempenhar um grande papel na coleta de assinaturas, se recusou a comentar sobre seus esforços. Fonte: Dow Jones Newswires.

Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement