Segurança

Jovem de 19 anos é espancada por “ficante” e jogada às margens de rodovia em Guaçuí

COMPARTILHE
polícia militar
5940
Advertisement
Advertisement

Uma jovem de 19 anos foi brutalmente agredida na madrugada desta sexta-feira (5) e deixada às margens da BR 482, em Guaçuí. O principal suspeito do crime é um homem de 37 anos com quem a vítima se relacionava. Tudo ocorreu por volta das 4h40.

Continua depois da publicidade

De acordo com a Polícia Militar, a jovem precisou ser atendida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levada para a Santa Casa de Misericórdia de Guaçuí. Os socorristas encontraram marcas de violência no corpo da vítima, como cortes profundos no rosto e nas regiões íntimas.

À polícia, a vítima ainda muito ensanguentada e desorientada, contou que ela e o “ficante” foram à Dores do Rio Preto, acompanhados por uma outra mulher. Lá, se encontraram com um outro homem, dono de uma casa de prostituição. 

Ela não contou detalhes sobre o que ocorreu no estabelecimento, mas disse que no percurso de volta à Guaçuí, dentro do carro, ela e o suspeito tiveram uma discussão, e que depois disso, não se lembrava do que ocorreu.

Continua depois da publicidade

Ainda segundo o que é descrito na ocorrência policial, quando a jovem recuperou a consciência, estava caída às margens da rodovia. Ela pediu ajuda a moradores da região, que chamaram a PM. 

De acordo com os policiais, ela resistiu em identificar o agressor, mas depois foi convencida pelos militares, que foram ao bairro Manoel Monteiro Torres, onde o suspeito mora. No entanto, o homem não estava em casa. 

Depois de receber alta hospitalar a jovem será encaminhada à Polícia Civil, onde prestará depoimento sobre o caso. Informações que ajudem no trabalho da polícia podem ser repassadas por meio do 181 e não é preciso se identificar.

Advertisement
Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here