Política Nacional

PGR sugere para STF receber queixa-crime contra Magno Malta por calúnia a Barroso

COMPARTILHE
71
Advertisement
Advertisement

A Procuradoria-Geral da República (PGR) sugeriu nesta segunda-feira, 8, uma audiência de conciliação entre o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), e o ex-senador e pastor bolsonarista Magno Malta (PL-ES). Se não houver acordo, o órgão defendeu a abertura de um processo contra o ex-senador pelo crime de calúnia.

Advertisement
Continua depois da publicidade

A manifestação foi enviada em uma queixa-crime movida pelo ministro do STF. Barroso disse ter sido caluniado depois que o pastor afirmou que ele “batia em mulher”.

“Ele tem dois processos no STJ, na Lei Maria da Penha, de espancamento de mulher. Além de tudo, Barroso batia em mulher. Eu só falo o que eu posso provar. Esse cidadão, posudo, que dá palestra no exterior de como se pode tirar um presidente da República do poder”, disse o ex-senador em palestra transmitida ao vivo pelas redes sociais no congresso conservador CPAC Brasil, em junho.

A PGR afirma que, nas ações penais privadas por crimes contra a honra, o procedimento padrão previsto na legislação é audiência de conciliação antes da análise da queixa-crime. “A aludida audiência não é facultativa, sob pena de nulidade do processo”, argumenta.

Continua depois da publicidade

A vice-procuradora-geral da República, Lindôra Araújo, que assina o documento, adianta que, se não houver acordo entre o ministro e o pastor, vê elementos para que Magno Malta seja processado.

“A liberdade de expressão é um direito individual de índole constitucional, porém de natureza relativa, não servindo de escudo para a prática de infração penal”, diz outro trecho da manifestação.

Rayssa Motta
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here