Política Nacional

Molon diz que PT pressiona PSB a deixá-lo sem verbas de campanha

COMPARTILHE
29
Advertisement
Advertisement

O deputado Alessandro Molon (PSB) afirmou na tarde desta quinta, 5, que petistas pressionam o PSB a não repassar recursos para asfixiar financeiramente sua campanha ao Senado. Horas após a decisão da Executiva Nacional do PT de manter no Rio a aliança em torno da candidatura de Marcelo Freixo (PSB) ao Palácio Guanabara, Molon reafirmou que nunca houve acordo para que ele abrisse mão da disputa em favor do presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), André Ceciliano (PT). O deputado federal disse ainda que manterá sua candidatura a senador e fará campanha por Freixo e pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Continua depois da publicidade

“Há uma forte pressão do PT para que o PSB retire os recursos da nossa campanha para forçar uma desistência. Estamos lançando hoje uma campanha virtual para arrecadar recursos para a campanha. É uma pressão indevida. Espero que o PSB não concorde com essa pressão”, afirmou Molon, ao lado de representante da Rede, Cidadania e PSOL, partidos que apoiam a sua candidatura.

A campanha de financiamento coletivo tem apoio da produtora Paula Lavigne.

Advertisement

Ao aprovar a manutenção do apoio à candidatura de Freixo, a Executiva Nacional do PT contrariou a executiva fluminense da sigla, que defendia o rompimento com o parlamentar. O partido ameaçava deixar a coligação com o PSB no Estado caso o pessebista não desistisse da candidatura. Sem acordo, Molon e Ceciliano devem disputar o voto da esquerda para senador pelo Rio em outubro.

Continua depois da publicidade

A pressão para que Molon desistisse da disputa aumentou nas últimas semanas. O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, tentou interceder. Mas a decisão do deputado de manter a candidatura já era considerada irreversível. O grupo que apoia Ceciliano inicialmente propunha retirar o apoio a Freixo e se juntar à campanha de Rodrigo Neves (PDT) ao Palácio Guanabara. Na quinta, 4, porém, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, ligada a Lula, defendeu a manutenção da aliança. Ceciliano e o dirigente Washington Quaquá recuaram do rompimento.

Molon lidera as pesquisas de intenção de votos mais recentes, empatado tecnicamente com o atual senador Romário (PL), candidato à reeleição. Na sequência, aparecem o ex-prefeito do Rio Marcelo Crivella (Republicanos), o deputado bolsonarista Daniel Silveira (PTB) e o deputado estadual André Ceciliano (PT), de acordo com levantamento da Real Time Big Data divulgado na última semana de julho.

Rayanderson Guerra
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here