Segurança

Acusados de matar Duramir decoraram “roteiro” para tentar despistar polícia; veja fotos do caderno

COMPARTILHE
CASO DURAMIR CADERNO DEPOIMENTO
7272
Advertisement
Advertisement

Beatriz Gazone de Azevedo, de 20 anos, escreveu, nas páginas de um caderno, uma espécie de roteiro que ela e o namorado, João Victor Brito Silva, de 24 anos, deveriam decorar e repetir para a polícia. A história seria usada caso eles fossem chamados para prestar depoimento a respeito do desaparecimento e morte do ciclista Duramir Monteiro, pai de João Victor. Beatriz e João, que estão presos, são réus confessos do crime que aconteceu na terça-feira (28), em Cachoeiro de Itapemirim. Duramir foi dopado, esfaqueado e teve o corpo levado para uma propriedade rural da família de Beatriz, em Estrela do Norte, Castelo. Lá, o casal ateou fogo no cadáver. 

Continua depois da publicidade

No caderno, Beatriz, que namorava Victor há quatro meses, detalhou toda a história que o casal deveria contar em depoimento, para que as histórias “batessem”. Segundo o delegado encarregado do caso, Felipe Vivas, os dois leram e releram as páginas, a fim de não falarem coisas diferentes enquanto estivessem sendo questionados sobre a morte de Duramir. 

A história fantasiosa escrita por Beatriz começa no dia do crime. “Terça-feira, João me buscou às 18h no trabalho. Viemos direto pra casa. Começamos a ajeitar a casa, tirar coisas velhas. Ficamos fazendo isso até mais tarde, por volta das 22h. Fomos à casa da mãe de João pegar a comida que tínhamos feito lá. Trouxemos para cá. Comemos e deixamos um prato para o Dudu”. 

Ela escreve, que depois que Dudu (Duramir) chegou, guardou a bicicleta e foi até a cozinha para comer. “João entregou-lhe um queijo e deitamos na cama. Dormimos normalmente e acordamos com a mãe do João chamando. Fomos lá e deitamos de novo. Depois, acordei passando mal e pedi ao João para sairmos para irmos ao hospital”.

Continua depois da publicidade

Quando voltaram para casa, mostra o escrito fantasioso, eles não viram mais Duramir. Ela ainda faz uma simulação de perguntas que os policiais poderiam fazer ao casal durante o depoimento. “Pra onde vocês andaram de carro? Somos de casa, ficamos andando por Cachoeiro normal, fomos em direção ao BNH para ver se a farmácia estava aberta. Depois fomos à padaria”. 

Se questionados sobre os horários, a resposta dos dois deveria ser, segundo os escritos de Beatriz: “não ficamos vendo ou olhando o celular. Eu estava passando mal, mas era de madrugada. Mas a hora exata, não sabemos”. E termina: “Do momento em que Dudu comeu e deitamos, foi a última vez que vimos ele. Depois, não vimos mais”.

Veja fotos do “roteiro” escrito por Beatriz:

Advertisement
Continua depois da publicidade

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here