Política Regional

Cesan admite fazer estudo para ligar imóveis de pessoas carentes à rede de esgoto na Serra

COMPARTILHE
O gerente da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan), Douglas Oliveira, admitiu na última quarta-feira (11), durante reunião da Comissão de
Foto: Lucas Costa/Ales
50
Advertisement
Advertisement

O gerente da Companhia Espírito-Santense de Saneamento (Cesan), Douglas Oliveira, admitiu na última quarta-feira (11), durante reunião da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, a possibilidade de acatar uma sugestão do vice-presidente da comissão, o deputado estadual Bruno Lamas (PSB), para que as ligações de imóveis de pessoas em risco social sejam feitas às redes coletoras de esgoto, sem custos para essas famílias.

Continua depois da publicidade

A declaração foi dada durante a reunião realizada, a pedido de Bruno, para apresentação do projeto de despoluição do Córrego Irema, na Serra, após o próprio deputado indagar por que a Cesan não faz uso da Tarifa de Disponibilidade, que é paga junto à conta pelo contribuinte, para financiar a ligação dessas residências à rede coletora?

De acordo com o gerente da Cesan, há, na Serra, 25 mil imóveis que já contam com a rede coletora passando em frente aos imóveis, e que não estão interligados. Ou seja, os proprietários jogam o esgoto em natura nas redes de drenagem, que são destinadas às lagoas, rios e mares, causando a poluição.

Entretanto, Bruno lembrou que há proprietários que não fazem a ligação porque não dispõem de recursos para isso. Daí a importância do poder público, segundo ele, assumir esse papel, para evitar danos ao meio ambiente.

Continua depois da publicidade

“Estamos falando das pessoas que não têm condições de fazer a ligação. Com a gasolina chegando a R$ 10 o litro, e o gás, a R$ 130, nós imaginarmos que uma pessoa que está lutando para sobreviver vai comprar um pedaço de cano e cimento? Pagar pela mão de obra? Isso é impossível. Ela não vai fazer”, declarou Bruno.

E insistiu: “Repito: ela (a pessoa) está lutando para sobreviver, para comer e manter a sua família. Por isso, cabe ao poder público fazer essa execução, para que possamos cumprir o papel ambiental.”

Cesan pode usar parte da tarifa arrecadada

O parlamentar frisou na reunião, que foi presidida pelo colega Rafael Favatto (Patriota), que a sua solicitação é que a Cesan use parte da tarifa que ela arrecada, para autorizar que a empresa executora do Plano Municipal de Saneamento, no caso a Ambiental Serra, possa fazer a ligação. A concessionária também atua em Vila Velha e Cariacica.

Advertisement
Continua depois da publicidade

“Atualmente, cerca de 190 mil imóveis estão ligados na Serra. Poderíamos duplicar isso em curto espaço de tempo. Por consequência, teríamos muito menos esgoto chegando aos mananciais e às praias”, avaliou Bruno.

O representante da Cesan frisou que a declaração do deputado é muito importante e demonstra a sua preocupação real com o meio ambiente porque, se as pessoas não fizerem a ligação, os rios, córregos e mares não vão estar limpos.

Ele também lembrou que a Cesan já incluiu a ligação no Plano de Obras futuras da companhia e que, inclusive, os empreendimentos do Banco Mundial em Cariacica e Vila Velha já terão mais de 20 mil imóveis com a ligação intradomiciliar.

“As residências já estarão conectadas ao final da obra. Isso é um avanço muito grande, uma vez que requer atenção a uma questão social porque é necessário adentrar a casa das pessoas”, declarou Douglas.

Empresa vai estudar o caso

Em relação ao passivo lembrado pelo deputado, o representante da Cesan garantiu que a proposta de Bruno será levada à diretoria da empresa e um estudo será realizado para avaliar o uso da Tarifa de Disponibilidade para financiar a ligação de imóveis cujos proprietários estão em risco social.

“Vamos envolver a ARSP (Agência Reguladora de Serviços Públicos) porque ela também está inserida nas questões tarifárias e aproveito para lembrar que temos duas tarifas sociais que dão 60% e 75% de desconto para famílias de baixa renda. Estamos à disposição para fazermos uma reunião para tratar do assunto”, afirmou Douglas.

Para concluir, Bruno fez ainda outro encaminhamento, na presença do diretor-presidente da Ambiental Serra, Justino Brunelli Júnior, e de um representante da Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh).

“Solicitei que os órgãos de licenciamento possam atuar com agilidade e que a Comissão de Meio Ambiente acompanhe mensalmente os relatórios de licenciamento por parte do Iema e demais órgãos. A poluição do Córrego Irema é algo que incomoda demais. É a chegada ao bairro de Jacaraípe, uma região turística. O cidadão se depara com aquela praia linda da Curva da Baleia e aquele odor. Ainda mais agora, com uma nova avenida Abido Saadi, e os investimentos chegando”, avaliou.

Indagado, Justino lembrou que a expectativa é de que até 2025 todas as Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) estejam funcionando. Das atuais 21 estações, ficarão apenas nove na Serra. A que atenderá o Córrego Irema deverá ser iniciada no ano que vem.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here