Economia

Debate eleitoral e questão fiscal preocupam setor da construção civil

COMPARTILHE
89
Advertisement
Advertisement

As perspectivas de um crescimento geral da economia preocupam o setor da construção civil. O vice-presidente de Economia do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), Eduardo Zaidan, disse que o “quadro não é bom”. “A inflação será menor neste ano que no ano passado, mas não quer dizer que estejamos livres de uma inflação desajustada”, ponderou.

Continua depois da publicidade

Nesta semana, segundo dados do Boletim Focus, analistas do mercado financeiro voltaram a reduzir a estimativa de alta do Produto Interno Bruto (PIB) para 2022 para alta de 0,28% – na semana passada, a estimativa era de que o indicador subisse 0,36%. A previsão para inflação de 2022 continuou em 5,03%.

Zaidan afirmou ainda que o setor deve sentir os efeitos das eleições presidenciais, que serão um período de incertezas, principalmente com o cenário polarizado como está hoje. “E ainda temos a preocupação fiscal, que é o pano de fundo dos problemas brasileiros.”

Advertisement

O analista de construção do Inter Research, Gustavo Caetano, concorda. “Com os últimos números observados, acreditamos que a retomada da atividade da construção está diretamente associada a um cenário macroeconômico mais favorável, mas que ainda permanece volátil diante das incertezas fiscais vigentes e com a aproximação do debate eleitoral”, afirmou, em relatório.

Continua depois da publicidade

Segundo o segmento, o que vai sustentar o PIB da construção neste ano será a abertura de novos canteiros de obras residenciais. Cidades como São Paulo, por exemplo, tiveram recorde de lançamentos em 2021 e 2020. Geralmente, as obras começam cerca de seis a nove meses depois. A partir daí vêm as compras de materiais e equipamentos, contratação de pessoal e serviços, que engrossam o PIB setorial. “O nível de atividade que vemos hoje vai se manter enquanto as obras durarem”, disse Zaidan.

O cálculo para o PIB do setor ainda não considera os efeitos da nova onda de covid. “Tem afastamento (de trabalhadores), mas não é uma coisa que podemos comparar com março ou abril de 2020, quando se tinha até 30% do efetivo afastado”, comentou Zaidan.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Continua depois da publicidade

Circe Bonatelli
Estadao Conteudo
Copyright © 2022 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here