Artigo

Sobre a Universidade do Vale do Itapemirim

COMPARTILHE
Flávia Cysne
Flávia Cysne é Administradora de Empresas, Pós Graduada em Marketing, gerente do Escritório da Aderes no Sul do ES, presidente do Instituto Mulheres no Poder e ex-prefeita de Mimoso do Sul
618
Advertisement
Advertisement

É educação, e na dúvida se será bom ou ruim, recomendo reflexão. Melhor discutir com quem entende.

Advertisement
Continua depois da publicidade

O que é de conhecimento geral é que o aporte financeiro para as universidades diminuiu no atual governo do País. A forma de nomeação dos reitores também mudou. Sim, agora é prerrogativa do Governo Federal a forma da escolha, à revelia da comunidade acadêmica. Já fui gestora num universo bem menor e estudei sobre o assunto.

Para ter maior envolvimento entre a comunidade escolar e melhorias nos índices educacionais, algumas das propostas era que houvesse capacitação técnica, recursos aplicados de forma suficiente para cobrir o planejamento, tanto da estrutura física, quanto da qualificação dos profissionais, além de eleição dentro das unidades educacionais. Isso era recomendado e considero ideal.

Eu não cheguei a adotar. Mas acompanhei o Governo do Estado do Espírito Santo avaliar a lista tríplice oferecida pelos Conselhos de Escola, através de empresa qualificada para pontuar o perfil do gestor. São dois exemplos de propostas voltadas para a qualificação do ensino. Creio que ainda seja assim. Isso diminui a ingerência política e a pessoalidade da indicação, valorizando os interesses da comunidade escolar. Continua a ser Cargo Comissionado, porém com o foco no resultado.

Continua depois da publicidade

Outro dado a saber. Com o programa Estadual Nossa Bolsa, o Governo do Estado compra das Universidades Particulares vagas para a o ensino público de qualidade e gratuito há vários anos. Já vi publicações que informam que o objetivo de oferecer o ensino superior gratuito para a população alvo, de acordo com editais, é alcançado.

Ou seja, otimização dos recursos. Mais uma vez, o foco no resultado. Para que prédio público e funcionários que pesem a folha do Estado, se é possível terceirizar?

Dividir a UFES e fragilizá-la não me parece um bom caminho, a princípio. Também percebi ser essa a preocupação do Governador. Repito, não sou contra, mas na dúvida, vamos discutir melhor, ouvir a todos e apontar prós e contras, de forma racional e responsável, para lá na frente termos absoluta certeza de que a educação pública de qualidade venceu. E que todos nós fizemos parte disso.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Retroagir na educação seria um crime.

Advertisement