Segurança

Funcionário da Caixa, no ES, é preso por desviar dinheiro de beneficiários do Auxílio Emergencial

COMPARTILHE
Polícia Federal
1378
Advertisement
Advertisement

Um funcionário de uma agência da Caixa Econômica Federal, localizada em Vitória, foi preso por policiais federais nesta sexta-feira (22), por desviar dinheiro de beneficiários do Auxílio Emergencial. A ação foi deflagrada pela Delegacia de Repressão aos Crimes Fazendários, com apoio da Coordenação Nacional de Segurança e Fraude da Caixa Econômica Federal

Advertisement
Continua depois da publicidade

De acordo com a Polícia Federal, o homem participava de um esquema de fraudes e estava sendo monitorado por movimentações suspeitas dentro da agência bancária. Ele foi preso no momento exato em que desviava o dinheiro.

A fraude consistia na alteração de dados cadastrais dos beneficiários reais, para que
outras pessoas pudessem receber indevidamente os valores do auxílio. O empregado
da Caixa era informado sobre os beneficiários que deveriam ter seus dados alterados,
como telefone e e-mail. Isso permitia que, depois, os fraudadores tivessem acesso aos
valores.

Segundo a PF, o funcionário recebia uma lista de CPFs, verificava as contas vinculadas
com saldo no amparo financeiro, alterava as senhas, repassava as novas senhas para
quem lhe enviava os CPFs e, este, transferia os valores para contas de “laranjas”.

Continua depois da publicidade

Um percentual das parcelas do auxílio emergencial era devolvido ao funcionário do banco. Os levantamentos iniciais confirmaram um desvio de R$ 140 mil e, estima-se, que
os valores totais alcancem um milhão de reais.

Levado para a sede da PF, o homem informou que foi aliciado por meio de mensagens
eletrônicas, que não conheceu o aliciador, mas confessou que vinha realizando as
fraudes desde o fim do ano passado.

Auxílio Emergencial

Advertisement
Continua depois da publicidade

O Auxílio Emergencial é um benefício financeiro destinado aos trabalhadores
informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados,
tendo como objetivo fornecer ajuda financeira no período de enfrentamento à
crise causada pela pandemia do coronavírus. A fraude nesse caso, portanto, além de
crime, é um ato de desumanidade.

Advertisement