Política Regional

Ex-presidente da Câmara de Brejetuba é multado pelo Tribunal de Contas

COMPARTILHE
683
Advertisement
Advertisement

O Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCE) decidiu multar o ex-presidente da Câmara de Brejetuba, Leandro Santana (PDT), por deixar de divulgar o Relatório de Gestão Fiscal (RGF), no prazo e nas condições estabelecidas na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Continua depois da publicidade

De acordo com o TCE, no processo que trata de fiscalização da divulgação do RGF do Poder Legislativo, relativo ao 2º quadrimestre de 2020, ficou constatado que a data da efetiva divulgação do relatório referente ao 1º quadrimestre somente ocorreu no dia 17 de dezembro de 2020, com 77 dias de atraso, contrariando a legislação.

Em suas justificativas, Leandro Santana, que foi reeleito vereador, afirmou realmente que houve atraso na divulgação do documento, mas alegou que não teve má fé. Afirmou ainda que, para sanar a omissão, foi feita divulgação do relatório no dia 17 de dezembro de 2020.

Em seu voto, o relator, conselheiro Rodrigo Coelho, traz que houve inobservância às determinações impostas pela LRF, uma vez que o então presidente do Legislativo deixou de divulgar o RGF caracterizando, assim, infração administrativa contra as leis de finanças públicas.

Continua depois da publicidade

Diante do evidente atraso, ele acompanhou o entendimento técnico e ministerial, mantendo a irregularidade. Todavia, decidiu por avaliar também a conduta de Santana, mensurando-se o grau de culpabilidade, bem como as circunstâncias fáticas e as consequências jurídicas e administrativas que nortearam o atraso de 77 dias para a publicação do RGF.

Análise

Durante análise, com base em legislação sobre a matéria e na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (Lindb), concluiu-se que o ex-vereador agiu de forma a promover erro grosseiro. O conselheiro registrou que, diante do descumprimento, houve a inevitável necessidade de citar o ex-gestor para cumprir a obrigação, medida adotada para que se resolvesse a questão, da melhor forma e o mais breve possível.

Advertisement
Continua depois da publicidade

No caso concreto, o lapso temporal foi de 77 dias, tempo considerável para que a sociedade e os órgãos de controle ficassem sem as informações fiscais da unidade gestora, sendo a transparência o compromisso do ente público com a divulgação das suas atividades, deixando de ser mera conformidade legal, para assumir um papel voltado à confiabilidade da gestão pública, cuja exigência tem amparo legal”, traz o voto.

Quanto ao montante da multa, esse deverá ser considerado sobre o valor líquido dos vencimentos anuais auferidos pelo ex-vereador. Ou seja, os vencimentos anuais, deduzidos os valores recolhidos com imposto de renda e contribuições previdenciárias, conforme entendimento do TCE-ES nos processos 14925/20193, 6086/20184 e 00375/2021, explicou o conselheiro.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here