Economia

'Sempre deixei parte de mim em casa e não era 100% no trabalho'

COMPARTILHE
18
Advertisement
Advertisement

Em 2020, a lista da OUTstanding, rede profissional que elege líderes LGBT que quebram barreiras e criam ambientes de trabalho mais inclusivos, selecionou 100 profissionais no mundo. O sétimo colocado foi Javier Constante, CEO da Dow Química para a América Latina, argentino que vive em São Paulo há dois anos.

Continua depois da publicidade

Há cinco anos, ele tomou a decisão de começar a falar abertamente sobre ser um homem gay. De lá para cá, passou a levar a pauta tanto internamente na empresa, quanto para os grupos de CEOs de que participa. Hoje, ele afirma entender a importância de uma alta liderança LGBT falar publicamente sobre o assunto.

O que um profissional LGBT que está no topo pode fazer por outros mais abaixo na hierarquia?

Advertisement

Existe um fórum de presidentes e CEOs em apoio à comunidade LGBT. Comecei com esse trabalho em 2019 e, entre os 100 presidentes, eu sou o primeiro abertamente declarado gay. Fiquei meio surpreso, primeiro porque era o único deles e, segundo, porque como é que ninguém falou alguma coisa antes? Eu mesmo não entendia o valor simbólico que tem uma pessoa como eu, sendo gay, em uma posição de liderança. Sempre subestimei isso. Muitas vezes eu falava: Mas não sei se tenho de sair do armário. Mas entendi que uma das coisas importantes é o que você representa. Quando você entra na Dow e vê que o presidente da América Latina é gay, você pensa: Eu vou conseguir, eu posso conseguir. Como símbolo isso é muito importante.

Continua depois da publicidade

Você sempre falou sobre a sua orientação sexual no mundo corporativo?

Comecei a falar há cinco anos. Eu estava como vice-presidente para Europa, Oriente Médio e África da Dow, e pensei que uma das coisas que eu mais apreciava entre as pessoas que trabalhavam comigo era a autenticidade. Fiz uma reflexão de que eu não era 100% autêntico com eles. Então, um dia, em uma reunião de liderança, contei que eu estava casado com o meu marido, que eu já conhecia havia 32 anos. Ao final do dia, o primeiro choque foi a resposta, que foi incrível, de maior carinho e apoio.

Você acredita que as pessoas trabalham melhor quando têm essa abertura para falar sobre serem LGBT no trabalho?

Continua depois da publicidade

Eu sempre deixei uma parte de mim em casa a cada dia que saía para trabalhar. E, se eu tirava férias e viajava com o meu marido, eu nunca falava com quem eu ia. Se eu tinha uma celebração, eu nunca falava com quem eu celebrava. Até que nós nos casamos, e eu nunca tinha compartilhado isso, exceto com duas ou três pessoas que já sabiam. Quando você consegue levar a sua vida e as suas vivências com você para o trabalho, isso dá uma capacidade de ser mais espontâneo, mais criativo e, por isso, muito mais efetivo naquilo que você está fazendo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Marina Dayrell
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here