Internacional

G7: Continuam discussões sobre 'ambicioso' imposto de 15% em países do G20/OCDE

COMPARTILHE
9
Advertisement
Advertisement

Líderes do G7 defenderam, após encontro neste domingo (13), a necessidade de tornar o sistema tributário global mais justo. Em comunicado, os líderes defenderam a proposta “ambiciosa” de estabelecer a alíquota mínima de 15% em impostos para cada país membro do G20 ou da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e disseram que irão continuar a discutir o assunto.

Continua depois da publicidade

A expectativa é estabelecer um rascunho de acordo que será apresentado em julho, durante encontro dos ministros de Finanças do G20 e dirigentes dos bancos centrais. “Com isso, tomamos passos significativos para criar um sistema tributário mais justo para o século 21 e reverter uma corrida de 40 anos para diminuir taxas. Nossa colaboração irá criar um campo de disputa mais justo e irá ajudar a gerar maior receita fiscal para apoiar investimentos, bem como combater evasão fiscal”, comunica o texto.

A proposta de estabelecer um piso para a alíquota de impostos é uma das bandeiras do governo americano. Nos Estados Unidos, o presidente Joe Biden tenta acordo com a oposição para elevar os impostos corporativos. No início do mês, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, informou que, apesar do governo estar propondo a criação de um piso de 15% na alíquota do imposto corporativo global, o governo “definitivamente” não abandonou a ideia de elevar as taxas do tributo em território nacional de 21% para 28%. O comunicado deste domingo do G7, entretanto, não menciona que as novas alíquotas serão dirigidas exclusivamente a empresas.

Pedro Caramuru, colaborou Juliana Martins
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement
Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here