Política Nacional

Pesquisa XP/Ipespe aponta que 50% consideram governo Bolsonaro ruim ou péssimo

COMPARTILHE
14
Advertisement
Advertisement

A avaliação negativa do governo do presidente Jair Bolsonaro saltou de 31% em outubro para 50% em junho, registrando a pior série desde o início do mandato, junto com maio de 2020. A pesquisa aponta que metade dos entrevistados consideram a administração federal ruim ou péssima. A pesquisa é a nona consecutiva em que a tendência de alta se apresenta.

Continua depois da publicidade

Apesar da piora na avaliação, outros aspectos do governo apontaram para uma melhora na percepção dos entrevistados. Entre os que afirmam que a economia está na direção certa, a porcentagem subiu de 26% para 29%. Os que dizem que está no caminho errado oscilaram de 63% para 60%.

Sobre o receio em relação à pandemia da covid-19, caiu de 50% para 45% os que dizem estar com muito medo do surto da doença. É a primeira vez em que há um descolamento desses dois indicadores em relação à avaliação do presidente, que tinham tendências coincidentes até então.

Advertisement

Os número dos que veem como “ótima ou boa” a ação do presidente no combate à covid-19 se manteve estável em relação ao mês anterior, em 22%. Enquanto isso, para 47%, a perspectiva para o restante do mandato de Bolsonaro é “ruim e péssimo”.

Continua depois da publicidade

Foram realizadas mil entrevistas, de abrangência nacional, entre os dias 7 a 10 de junho. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais

Copa América

Os entrevistados foram perguntados também sobre a realização da Copa América no Brasil. Conforme a pesquisa, 64% são contrários e 29% são favoráveis. Na avaliação da XP, os resultados mostram uma divisão na opinião a partir da aprovação do presidente. Entre os que têm visão negativa de Bolsonaro, 83% reprovam o torneio. No outro grupo, 58% aprovam a realização da copa no Brasil.

Continua depois da publicidade

Eleição

Se a eleição para presidente da República fosse realizada hoje, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pontuaria 32% no primeiro turno, contra 28% do atual mandatário, Jair Bolsonaro (sem partido). E num eventual segundo turno, o petista venceria o pleito por 45% contra 36% de Bolsonaro. A pesquisa foi feita nos dias 7, 8, 9 e 10 de junho, com margem de erro de 3,2 pontos percentuais.

Com relação à pesquisa divulgada no mês passado, Lula subiu nas projeções de primeiro turno 3% e Bolsonaro recuou 1%, ambos dentro da margem de erro. Na mostra de hoje, Ciro Gomes (PDT) foi quem mais recuou, passando de 9% para 6%. O ex-ministro da Justiça Sergio Moro oscilou um ponto para menos, de 8% para 7%, assim como o apresentador Luciano Huck, que passou de 5% para 4%. O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), mantiveram o mesmo porcentual, de 3%.

Segundo turno

Mas simulações de segundo turno, que indica a abertura de vantagem de Lula – fora da margem de erro -, na pesquisa de maio, o petista registrava 42% e agora pontua 45%, enquanto Bolsonaro caiu – também fora da margem de erro – de 40% para 36%.

Nessas simulações de segundo turno, Bolsonaro aparece na mostra de hoje também atrás de Ciro Gomes. O pedetista pontua 41% contra 37% do atual mandatário. Se a disputa do segundo turno fosse realizada hoje, Bolsonaro empataria com seu ex-ministro da Justiça Sergio Moro, ambos com 32%. Contra Luciano Huck, Bolsonaro teria 37% e o apresentador da Globo 34%. Na eventual disputa de segundo turno contra João Doria (PSDB), Bolsonaro teria 39% e o tucano 33%.

Sofia Aguiar e Elizabeth Lopes
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].