Política Nacional

Executivo da Sinovac cobrou fim de ataques à China para enviar insumos de vacina

COMPARTILHE
19
Advertisement
Advertisement

A biofarmacêutica chinesa Sinovac, desenvolvedora da vacina Coronavac, cobrou diplomatas brasileiros sobre uma mudança de posicionamento do governo duas semanas após o presidente Jair Bolsonaro atacar a China. A cobrança ocorreu durante reunião em Pequim da qual também participou o presidente da Sinovac, Weidong Yan, em 19 maio. O executivo destacou a importância da alteração de comportamento político por parte do governo para enviar insumos ao Instituto Butantan, com o objetivo de produzir a vacina. A informação consta de documento enviado pelo Itamaraty à CPI da Covid, revelado pelo jornal O Globo e confirmado pelo Estadão.

Continua depois da publicidade

Uma carta da embaixada brasileira em Pequim ao Ministério da Saúde relata que, em reunião com integrantes do laboratório brasileiro, Weidong Yan afirmou que a mudança no posicionamento do governo Bolsonaro poderia levar a uma relação “mais fluida” entre os países. Em mais de uma ocasião Bolsonaro se referiu à covid-19 como “vírus chinês”. Sugeriu, ainda, que o coronavírus foi fabricado em laboratório, na esteira de uma “guerra química”.

O Instituto Butantan tem sofrido cada vez mais com atrasos no envio do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) da China para o Brasil. Em abril, o envase da vacina chegou a ser paralisado, por causa do atraso na remessa do insumo.

Advertisement

Segundo o jornal O Globo, o presidente da Sinovac “fez questão de destacar a importância do apoio político para a realização das exportações, e mesmo a possibilidade de tratamento preferencial a determinados países”.

Continua depois da publicidade

Senadores da CPI da Covid questionaram o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo durante o depoimento prestado por ele, em 18 de maio, sobre os ataques feitos à China.

Na ocasião, Araújo negou que tivesse ofendido diplomatas chineses e a cultura do país em geral. “Jamais ofendi o embaixador chinês”, afirmou o ex-chanceler. No ano passado, porém, Araújo teria até mesmo pedido a troca do embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, após confrontos relacionados a declarações sobre a pandemia.

Julia Affonso
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here