Internacional

Sem acordo, expira novo prazo para Netanyahu formar governo em Israel

COMPARTILHE
8
Advertisement
Advertisement

O prazo para Binyamin Netanyahu tentar formar um novo governo israelense expirou nesta quarta-feira (terça-feira, horário de Brasília), com o primeiro-ministro há mais tempo no cargo no país sem conseguir romper o impasse político de mais de dois anos. Também não há garantia de que, depois que o premiê conservador não conseguiu formar uma nova coalizão, partidos de fora de seu governo provisório possam superar suas diferenças e destituí-lo.

Continua depois da publicidade

O presidente de Israel, Reuven Rivlin, pode agora dar a um campo rival e eclético de partidos anti-Netanyahu a chance de formar um governo, o que pode tirá-lo do poder após 12 anos consecutivos no cargo. Seu partido, o Likud, é de longe o maior no fraturado cenário político de Israel, após conquistar 30 cadeiras nas eleições gerais de março. Apesar disso, ele não foi capaz de reunir parceiros de coalizão suficientes para comandar a maioria de pelo menos 61 cadeiras no Parlamento de 120 membros.

Netanyahu, de 71 anos, está no cargo desde 2009 e também atuou por três anos na década de 90. Ele tem lutado para manter o comando em quatro eleições inconclusivas desde 2019 e está sendo julgado por acusações criminais de corrupção que nega.

Advertisement

Passado o prazo da meia-noite, o presidente pode atribuir a tarefa de formar coalizão a outro membro do Parlamento. É amplamente esperado que seja Yair Lapid, de 57 anos, cujo partido centrista Yesh Atid ficou em segundo lugar, atrás do Likud de Netanyahu, na votação de 23 de março.

Continua depois da publicidade

O partido de Lapid defendeu os contribuintes israelenses de classe média e pediu limites à autonomia concedida à comunidade ultraortodoxa de Israel – muitos dos quais estão isentos do serviço militar e estudam textos religiosos em vez de entrar no mercado de trabalho. Isso o tornou um inimigo dos partidos ultraortodoxos que há muito mantêm Netanyahu no poder.

O bloco de partidos de direita e religiosos judeus de Netanyahu não conseguiu ganhar a maioria, mas o mesmo aconteceu com um grupo opositor que, para derrubá-lo, teria de incluir seus rivais de direita, bem como adversários tradicionais de esquerda e de centro.

Ambos os lados cortejaram o apoio de partidos que representam a minoria árabe de cerca de 20% de Israel, potencialmente dando a eles participação em um gabinete pela primeira vez em décadas.

Continua depois da publicidade

Naftali Bennett, líder do partido ultranacionalista Yamina, emergiu como um nome-chave. Bennett, de 49 anos, manifestou preferência por se juntar a Netanyahu, mas disse que buscaria uma parceria com os oponentes do primeiro-ministro para evitar uma quinta eleição.

A crise política acontece enquanto Israel reabre sua economia após uma rápida campanha de vacinação contra a covid-19 e enfrenta os desafios do programa nuclear iraniano.

Um acordo para um governo rotativo no qual Bennett e Lapid se alternariam como primeiro-ministro também foi amplamente discutido. Grande parte do impasse decorre dos problemas jurídicos de Netanyahu: alguns aliados em potencial prometeram não servir sob o comando de um primeiro-ministro que está sendo julgado.

Caso um novo candidato indicado por Rivlin não consiga formar uma coalizão dentro de 28 dias, o presidente pode pedir ao Parlamento que concorde com um candidato em três semanas. Se mesmo assim continuar o impasse, Israel realizará outra eleição. “Estamos 60% caminhando para outra eleição e 40% para um novo governo”, previu Yoav Krakovsky, correspondente de assuntos políticos da rádio pública Kan. (Com agências internacionais)

Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].