Cidades

Sem tempo de chegar à maternidade, cachoeirense faz parto do próprio filho em casa

COMPARTILHE
Foto: Arquivo pessoal
4923
Advertisement
Advertisement

O publicitário Caetano Monteiro, 35 anos, e a advogada Isabela Couto, 30, viveram um dos momentos mais inesquecíveis e inesperados de suas vidas nesta quinta-feira (15). É que o pequeno Tom resolveu ‘pregar uma peça’ nos papais de primeira viagem e nasceu em casa por parto natural, depois de o casal não conseguir chegar a tempo na maternidade.

Continua depois da publicidade

Caetano, que nasceu em Alegre, mas se considera cachoeirense por ter vivido toda sua vida em Cachoeiro de Itapemirim, foi quem fez o parto do filho após as contrações da esposa evoluírem rapidamente e o bebê decidir que queria nascer nas mãos do pai.

Segundo o publicitário, que atualmente mora com a esposa em Vitória, tudo aconteceu de forma surpreendente. Eles se prepararam para o momento, mas não esperavam que o bebê nasceria em casa.

Foto: Arquivo pessoal

“Tanto eu quanto a Isabela nos preparamos muito bem, praticamos a meditação, tivemos orientação de profissionais, contratamos doula, estudamos por meio livros, vídeos e cursos, mas planejamos o nascimento no modelo formal […], ir para a maternidade, as malas já estavam prontas, mas tudo aconteceu de forma muito rápida.”, disse.

Continua depois da publicidade

Às 14h, a doula – que é uma assistente de parto – foi até a residência do casal avaliar a gestante que havia iniciado o processo de contração. Isabela tinha apenas um centímetro de dilatação e, por isso, a assistente retornaria à casa mais tarde.

Vale lembrar que não existe uma regra quanto a evolução do processo de parto, porém, a grávida pode levar de 12 a 20 horas para alcançar 12 centímetros de dilatação, quando a criança é colocada para fora do corpo da mãe pelo método natural.

Duas horas depois, a bolsa amniótica rompeu e as contrações começaram a ficar ainda mais intensas. Os pais de Tom são adeptos à doutrina do Santo Daime e, naquele momento, tomaram a ayahuasca, bebida que induz o estado de êxtase e que faz parte da manifestação religiosa. Em poucos minutos, o bebê já estava ‘coroando’ e não seria possível se deslocarem até o hospital.

Advertisement
Continua depois da publicidade

“Vinte minutos depois de tomar o chá as contrações ficaram bem mais fortes e o Tom já foi descendo. A Isabela colocou a mão e sentiu a cabecinha dele. Parei embaixo dela e o Tom foi vindo na minha mão naquele momento. Confiamos muito na força da maternidade. Na força da mãe geradora. Ter confiança nisso ajudou muito para que o nascimento fosse tão perfeito como foi. Tom nasceu saudável, Isabela está ótima, e está todo mundo ótimo aqui com a graça de Deus.”, relatou.

Ele conta que, apesar do imprevisto, o casal se manteve tranquilo durante todo trabalho de parto e a serenidade diante daquela situação inesperada foi totalmente programada por eles.

“Trabalhamos muito a questão da paciência, em momento nenhum ficamos ansiosos, até porque acreditamos que a ansiedade não é um sintoma saudável, principalmente em relação à uma coisa que precisa ser natural. As pessoas perguntavam durante a gestação se estávamos ansiosos para o nascimento e a resposta era não, sabíamos que ele iria chegar e nos preparamos.”, contou.

Tom chegou ao mundo três dias depois da data prevista para o parto, que era 12 de abril. Ele está saudável, assim como a mamãe, e agora, curte os primeiros dias ao lado da família.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].