Política Nacional

Ação de Holiday tenta impedir Senado de trocar colchões de imóveis funcionais

COMPARTILHE
8
Advertisement
Advertisement

O vereador paulistano Fernando Holiday entrou nesta quarta-feira, 7, com uma ação na Justiça do Distrito Federal para impedir o pregão aberto pelo Senado para a troca de dez camas e colchões de senadores. O caso foi revelado pelo Estadão. Um pregão eletrônico previsto para a semana que vem prevê a compra de dez conjuntos de cama box e colchão avaliados em R$ 2,6 mil cada, além do mesmo número de colchões a R$ 1,3 mil a unidade.

Continua depois da publicidade

“O Senado Federal abriu licitação para comprar colchões e camas para os senadores. Não é piada. Juntamente com o Lucas Pavanato entrei na Justiça Federal para barrar essa piada de mau gosto com o dinheiro do pagador de impostos”, escreveu Holiday em mensagem divulgada no Twitter, numa referência ao advogado que o assessora e também assina a ação.

Desde março do ano passado, o Senado tem realizado sessões virtuais. Apenas em ocasiões específicas, como na eleição para o comando da Casa, em fevereiro, é que a presença foi necessária. Procurado, o Senado afirmou que a compra tem por objetivo manter os apartamentos funcionais em condições de “habitabilidade” para os parlamentares.

Advertisement

“Somente são trocados mobiliários em substituição de bens com elevado prazo de vida útil ou que apresentem avarias insanáveis”, afirma nota enviada pela assessoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Os valores previstos no edital, segundo o texto, são “condizentes com os preços praticados no mercado”. “Além disso, o edital apresenta a previsão de valores máximos, que costumam diminuir em função da concorrência”, diz a nota.

Continua depois da publicidade

Lauriberto Pompeo
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: (28) 3521-7726, [email protected].