Política Regional

100 dias de governo | Victor Coelho destaca investimento de R$ 85 milhões em obras para Cachoeiro

COMPARTILHE
424
Advertisement
Advertisement

Prefeito reeleito com 53,25% dos votos válidos na maior cidade do Sul do Espírito Santo, Cachoeiro de Itapemirim, Victor Coelho (PSB), em entrevista ao AQUINOTICIAS.COM, fez balanço dos seus 100 dias de governo.

Continua depois da publicidade

Entre as dificuldades, Victor Coelho destaca o enfrentamento da pandemia do coronavírus, onde o país vive o seu pior momento. Mesmo com tantas dificuldades, a cidade conseguiu fazer investimentos e planeja para esse semestre a aplicação de R$ 85 milhões para obras de infraestrutura, o maior pacote de investimento da história da cidade. Confira na entrevista!

AQUINOTICIAS.COM – Quais os maiores problemas enfrentados pela administração?

Victor Coelho – Estamos enfrentando situações sérias com esta nova onda da Covid-19. Mas, em contrapartida, estamos trabalhando, ativamente, para combater esse mal. Estamos dialogando com os setores e o reflexo disso tem sido a união de todos em prol do bem-estar comum, orientando a população para que possamos voltar, num primeiro momento, a figurar numa classificação de risco que permita flexibilizar mais as atividades econômicas. Além disso, outro grande problema enfrentado, neste início de segundo mandato, diz respeito às chuvas. No entanto, já estamos trabalhando nas obras estruturais nas áreas mais afetadas. São intervenções necessárias para melhorar os sistemas de drenagem nessas regiões e, com isso, reduzir os alagamentos.

Continua depois da publicidade

Como o senhor avalia os 100 primeiros dias de governo deste segundo mandato?

Cachoeiro, assim como todos os municípios capixabas, vive momento de restrições na saúde e na economia. Apesar das dificuldades, tivemos entregas importantes como, na saúde, o SAMU 192, que era pleiteada há mais de dez anos pelo município; na área da mobilidade, iniciamos implantação de novos abrigos de ônibus pela cidade; na assistência social, estamos dando todo suporte às famílias em vulnerabilidade social, às pessoas em situação de rua, atingidas pela crise da pandemia; no desenvolvimento econômico, reforçamos ações junto aos comerciantes por meio da Sala do Empreendedor; de janeiro até agora, já fizemos manutenção em mais de 30 estradas rurais; ampliamos número de estradas com recapeamento em Revsol; há obras de manutenção por toda a cidade; continuamos figurando entre os municípios mais transparentes do Brasil. Enfim, os serviços públicos estão em pleno funcionamento e a cidade se mantém firme, apesar da crise. Foram cem dias difíceis, sem dúvidas, mas também de muito planejamento e de foco no futuro.

Quais as melhorias já feitas na cidade durante este tempo?

Advertisement
Continua depois da publicidade

Estamos realizando diversas obras de drenagem, pavimentação, contenção e construção de escadarias pela cidade. Já assinamos, também, um protocolo de intenções para a realização de uma operação de crédito com o Banco do Brasil. Com esse procedimento, a administração municipal poderá garantir R$ 85 milhões para obras de infraestrutura, montante a ser devolvido, posteriormente, com juros baixos e prazo estendido. Esse dinheiro será essencial para a realização de obras importantes na cidade, atendendo às demandas da população e gerando desenvolvimento. É bom destacar que Cachoeiro consegue fazer esse tipo de operação por ter, desde 2018, nota “A” em Capacidade de Pagamento (Capag), avaliação anual realizada pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Essa nota máxima atesta a boa situação fiscal do município. A expectativa é de que o dinheiro chegue ao município ainda no primeiro semestre deste ano. Além disso, realizamos a operação tapa-buracos, reparos em calçamento e patrolamento em diversas vias. Fizemos, ainda, reparos em redes de drenagem e limpeza de galerias. Outra melhoria a ser ressaltada é a implantação de novos abrigos de passageiros em pontos de ônibus do município, proporcionando conforto e segurança aos passageiros, além de embelezar a cidade.

Quais as ações que o senhor gostaria de já ter executado, mas ainda não conseguiu?

Desde o primeiro mandato, destaco que minha maior vontade é que o cachoeirense sinta orgulho da cidade. Para isso acontecer, é preciso uma ação conjunta entre poder público, iniciativa privada e a sociedade. Cuidar da cidade, proteger seus habitantes, preservar seus recursos naturais, proteger o patrimônio público é tarefa de todos nós. Eu tenho esse sonho.

A rejeição faz parte, ainda mais quando temos de tomar decisões que afetam, diretamente, a vida das pessoas

Como tem se dado a aceitação da população neste segundo mandato? De que maneira a municipalidade tem sentido essa aceitação?

Felizmente, mesmo diante de desaprovações por uma medida e outra que temos de tomar, a aceitação é boa, porque grande parte da população reconhece que a pandemia é mundial e os reflexos dela são sentidos dentro e fora de Cachoeiro. A rejeição faz parte, ainda mais quando temos de tomar decisões que afetam, diretamente, a vida das pessoas. Mas, tenho recebido muitos incentivos, principalmente nas redes sociais, em que sou bastante atuante, de pessoas que estão enfrentando dificuldades, mas entendem as medidas que precisamos tomar. É como tomar um remédio amargo, eu sei, mas não há outro caminho para curar.

Qual a relação que o Executivo estabeleceu com o Legislativo nestes 100 dias de governo?

Tem sido republicana e respeitosa. É muito importante a união dos poderes nesse momento da crise. Temos de deixar de lado questões partidárias para lutarmos pelo melhor para Cachoeiro. Não sabemos o tempo que a pandemia irá levar e nosso trabalho será decisivo para a retomada econômica da cidade.

O senhor enfrentou, no último ano, a pandemia que agora está mais intensa. Quais os impactos dela no município? Ela afetou os planos da administração, de que forma?

O agravamento da crise tem despertado uma grande preocupação no que diz respeito à manutenção dos serviços à população como um todo. Os últimos acontecimentos, ou seja, as enchentes do início do ano de 2020, seguidas pela primeira onda da Pandemia, fizeram com que nossa administração reorganizasse seu orçamento já há algum tempo. Medidas, em nível de Estado, têm sido tomadas no sentido de diminuir o agravamento da crise sanitária, tendo em vista a saúde da população e o esgotamento da capacidade de atendimento àqueles que necessitem de internação. Essas medidas, por mais que sejam necessárias, acabam afetando as vendas do comércio local e toda a cadeia produtiva que geram receitas para os municípios, por consequência, a arrecadação dos recursos públicos também sofre os impactos dessas eventuais frustrações de receitas. A queda na arrecadação acontece não somente por conta do comércio local, mas em função do arrefecimento da produção no país como um todo, que teve seu ritmo de crescimento diminuído.

Como a administração está trabalhando para amenizar os impactos na economia e na gestão pública?

Conseguimos controlar as despesas com maior rigor, na expectativa de que a arrecadação não se comporte como esperado e com base nos históricos de crescimento. Dessa forma, projetos não prioritários ficarão paralisados, momentaneamente, e um forte controle/corte imposto ao custeio está em curso. O comportamento da receita e das despesas continuam sendo monitorados, sistematicamente, em nossa administração. Contudo, é importante ressaltar que as atividades e os serviços públicos essenciais não foram paralisados e continuam sendo mantidos, dando a devida atenção às necessidades da população.

O senhor pensa que as movimentações políticas em torno das eleições 2022 devem afetar o governo municipal?

Não deveriam. Temos questões muito importantes para resolver acerca da saúde da população e da recuperação econômica da cidade. Como já disse, Cachoeiro deve estar acima disso.

O que o cidadão pode esperar de sua administração nos próximos meses?

Pode esperar muito trabalho e dedicação. Temos muito a fazer pela nossa cidade. Emprego, renda e o sustento das famílias são pautas prioritárias, num cenário ainda devastador na economia, não só em Cachoeiro de Itapemirim, mas em todo o mundo. Nossos desafios são grandes. Mas sabemos da responsabilidade de continuar esse trabalho de reconstrução de uma cidade após crises, como a das chuvas e a da pandemia, com perdas irreparáveis. No entanto, estou aqui para trazer uma palavra de esperança, de compromisso com o trabalho e com a honestidade, para fazer Cachoeiro crescer e prosperar. A chegada da vacina trará numa luz nova para a área da saúde, mas não minimizará os efeitos econômicos da pandemia. Nossa missão será, mais uma vez, desafiadora. Urge ampliar nosso senso de realidade. É descabida a insensibilidade diante do que enfrentamos nesta pandemia. Precisamos de coesão e de cooperação entre os poderes. Somente juntos se constrói e reconstrói uma cidade após uma crise como essa, de perdas irreparáveis. Continuamos uma cidade importante no cenário capixaba e nacional. Essa grandeza precisa ser reerguida com trabalho, compromisso e honestidade. Para onde olhamos, há um trabalho a ser feito e nós, aqui hoje reunidos, escolhemos servir a nossa cidade, fazendo-a crescer, prosperar e se orgulhar.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: [email protected].