Segurança

Caso Milena Gotardi: Ministério Público é contra suspensão do julgamento

COMPARTILHE
Foto: reprodução/redes sociais
593
Advertisement
Advertisement

O Ministério Público Estadual (MPES) se posicionou contra a suspensão do julgamento do assassinato da médica Milena Gottardi, morta no dia 14 de setembro de 2017, com um tiro na cabeça. A suspensão se deu após uma liminar do desembargador relator do processo, atender ao pedido da defesa do ex-marido da vítima, Hilário Antonio Fiorot Frasson, acusado de ser um dos mandantes do crime. O júri popular ocorreria em 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Continua depois da publicidade

A defesa alegou uma suposta imparcialidade dos jurados, sob o fundamento de que existiria ampla condenação social, “o que se mostraria verdadeira antecipação do decreto condenatório apto a influenciar diretamente na decisão dos jurados”.

O Ministério Público refutou a alegação. “Caso se leve a cabo tal pedido, passa a ser impossível a realização de qualquer júri que tenha mínima repercussão social. Trata-se também de uma afronta ao corpo de jurados da Capital, pois depreende-se desse entendimento da defesa que eles não seriam capazes de separar o que é divulgado pelas mídias sociais e ter uma linha de raciocínio própria, diante dos argumentos a serem apresentados pela defesa e a tese de acusação de assassinato da médica Milena Gottardi, ocorrido em setembro de 2017”.

A defesa argumentou, ainda, que o agendamento para o Dia Internacional da Mulher, demonstraria imparcialidade por parte do juízo, cuja intenção seria promover “um espetáculo, com posterior execução pública!”.

Continua depois da publicidade

O Ministério Público, por sua vez, argumentou que “todos que atuam no júri sabem que, diante da complexidade do caso e do envolvimento de várias pessoas no crime, a sentença certamente não será proferida nessa data”. P

A defesa pediu, ainda, que o julgamento seja deslocado para o Juízo de Viana ou, então, para a Comarca de Colatina. “Diante disso, o MPES entende que se trata de mais uma manobra utilizada pela defesa para tentar protelar e adiar o julgamento, não existindo qualquer fato que se apresente consistente nas alegações para o desaforamento do júri do Caso Milena Gottardi”.

Entenda o caso

Advertisement
Continua depois da publicidade

Milena Gottardi foi morta no estacionamento do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam), em Vitória, no dia 14 de setembro de 2017. Ela saia do trabalho e estava acompanhada de uma amiga. Um homem aproximou-se delas e disparou. Seis pessoas vão responder pelo assassinato.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: (28) 3521-7726, [email protected].