Esporte Nacional

Na nova temporada, Fórmula E busca estabilidade em ano de despedida de montadoras

COMPARTILHE
16
Advertisement
Advertisement

Após ser atingida em cheio pela pandemia e surpreendida pelo anúncio da saída de montadoras importantes, a Fórmula E inicia sua sétima temporada nesta sexta-feira buscando estabilidade, tanto no grid quanto no calendário. O campeonato de carros elétricos terá Lucas di Grassi e Sérgio Sette Câmara como representantes brasileiros na pista e maior alcance no Brasil neste ano, com transmissões tanto na TV aberta quanto na fechada.

Continua depois da publicidade

Agora contando com status de Mundial, chancelado pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA), o campeonato terá início com rodada dupla, o que virou tradição nos últimos anos. A cidade de Diriyah, na Arábia Saudita, vai receber as duas primeiras corridas do ano, nesta sexta-feira e no sábado, ambas com largada às 14h03 (de Brasília). Será a primeira vez que a categoria receberá provas noturnas.

A novidade, contudo, não esconde a preocupação com o que aconteceu na temporada passada, cujo calendário foi totalmente desfigurado pela pandemia. Etapas seguidas foram adiadas e, depois, canceladas. A organização precisou tomar medida drástica para finalizar o campeonato: concentrou seis corridas num mesmo local, no Aeroporto de Tempelhof, em Berlim, sem a presença de torcedores.

Advertisement

E a pandemia voltou a acender o sinal de alerta da F-E logo cedo em 2021. A nova temporada deveria ter iniciado no Chile, em janeiro. Mas as restrições impostas pela covid-19 atrapalhou os planos da organização e adiou a etapa sul-americana para junho. Além destas corridas, estão confirmadas apenas as provas em Roma, Valência, Mônaco e Marrakesh. A segunda metade do campeonato ainda não foi revelada, por precaução.

Continua depois da publicidade

Nos bastidores, a instabilidade também é grande devido ao anúncio, quase simultâneo de Audi e BMW, de deixarem a categoria ao fim da nova temporada. As duas montadoras têm equipes próprias na competição e ainda fornecem unidades de potência para os times Virgin e Andretti.

“Com o anúncio das saídas de Audi e BMW, outras montadoras podem se questionar se a Fórmula E ainda é a categoria certa. O coronavírus obviamente não ajuda, mas eu acho que foi um facilitador para as saídas”, diz o piloto holandês Robin Frijns, da Virgin.

Ao Estadão, Lucas di Grassi, piloto da Audi, admitiu a surpresa com o anúncio da saída da montadora. “Eu já esperava que em algum momento a Audi fosse procurar outros campeonatos. Mas me surpreende ter saído da Fórmula E. Acho que dava para fazer as duas coisas, combinando. A Audi está vindo com tantos veículos elétricos, com muita tecnologia transferida da F-E”, declarou.

Continua depois da publicidade

O brasileiro afirmou que a decisão do time alemão foi estratégica. “O automobilismo tem um ciclo. As montadoras ficam alguns anos nos campeonatos e saem. Ficamos sete anos com a Audi na F-E. Tivemos bons resultados, ganhamos campeonatos de piloto e construtores. E a Audi resolveu mudar de ciclo. Acho que é mais uma decisão estratégica do grupo do que a falta de desenvolvimento na F-E”, disse o dono de um título na categoria, sem saber se seguirá na categoria em 2022.

A preocupação com a eventual saída de novas montadoras do campeonato é tanta que a direção da F-E estabeleceu uma multa no regulamento para as empresas que saírem da competição antes do fim. A categoria conta com montadoras do peso de Mercedes, Jaguar, Nissan e Porsche.

Na pista, a expectativa é de equilíbrio, após os testes coletivos de Valência, no fim do ano. “Teremos uma temporada super competitiva. Todas as equipes mostraram em Valência que evoluíram muito. Então, a gente tem praticamente todas as equipes com chances de vitória, o que deixa o campeonato muito complicado”, projetou Di Grassi.

O Brasil também será representado por Sette Câmara, que foi piloto reserva da Red Bull e da AlphaTauri, da Fórmula 1, no ano passado. Felipe Massa deixou a categoria ao fim da última temporada e voltou a competir no Brasil, pela Stock Car.

Na pista, os brasileiros devem ter como maiores rivais a dupla da DS Techeetah, formada pelo português António Félix da Costa, atual campeão, e pelo francês Jean-Éric Vergne, dono de dois títulos na F-E.

Nesta temporada, os fãs brasileiros de automobilismo terão duas opções para assistir às corridas. Após ser transmitida pela Fox Sports nos últimos seis anos, a F-E será veiculada a partir de agora pelo SporTV, que não tem mais os direitos da Fórmula 1, e pela TV Cultura, que vai promover a estreia do campeonato em canais abertos no Brasil.

Felipe Rosa Mendes
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: (28) 3521-7726, [email protected].