Economia

Juros caem com otimismo sobre reformas, elogio de Bolsonaro a Guedes e Powell

COMPARTILHE
15
Advertisement
Advertisement

Os juros fecharam a terça-feira, 23, em baixa, devolvendo, no entanto, apenas parte do prêmio acumulado nas últimas duas sessões, com fatores externos e locais estimulando ordens de venda. Internamente, a movimentação em Brasília para acelerar a agenda de reformas e privatizações amenizou o desconforto com a questão da troca de comando na Petrobras, enquanto lá fora o discurso do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, no Senado, foi considerado “tranquilizador”, acalmando o estresse no segmento de Treasuries e enfraquecendo o dólar ante moedas emergentes.

Continua depois da publicidade

O leilão de NTN-B, na véspera de divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) de fevereiro, foi considerado robusto, com lote grande vendido no papel mais longo.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2022 encerrou em 3,465% (regular e estendida), de 3,538% no ajuste anterior e a do DI para janeiro de 2023 caiu de 5,332% para 5,19% (regular) e 5,18% (estendida). O DI para janeiro de 2025 fechou com taxa de 6,81% (regular) e 6,80% (estendida), de 6,925% na segunda-feira, e o DI para janeiro de 2027 com taxa de 7,50% (regular) e 7,49% (estendida), de 7,574%.

Advertisement

Na sessão estendida, as taxas caíram mais, uma vez que, no fim da tarde, o presidente da República, Jair Bolsonaro, fez defesa do ministro da Economia, Paulo Guedes, considerado pelo mercado o grande fiador da agenda liberal do governo, mas que saiu enfraquecido do episódio da Petrobras. O presidente disse ter contado com ministros para levar à frente propostas no momento difícil da pandemia e que Guedes foi uma das “pessoas mais importantes nessa luta”.

Continua depois da publicidade

Ao longo da sessão, após oscilarem ao redor dos ajustes na etapa matutina, os juros se firmaram em baixa à tarde, em sintonia com o alívio maior no câmbio e sinais positivos sobre as reformas vindos do Congresso. O senador Marcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC que vai destravar o auxílio emergencial, protocolou seu parecer, que o Senado deve votar a PEC na quinta. Se houver acordo, os senadores poderão aprovar a medida em dois turnos e enviar o texto para a Câmara logo na sequência.

Apesar do texto prever gatilhos para o teto quando a despesa obrigatória superar 95% do total, há pontos preocupantes, como a autorização para nova rodada do benefício sem redução de gastos para compensação. Porém, o mercado se apegou na percepção de que as reformas estão andando.

“O sentimento é de torcida pelas reformas, com a entrega do relatório, boa perspectiva para a administrativa, e a questão da Eletrobras”, disse o gerente da Mesa de Reais da CM Capital, Jefferson Lima. O Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) apurou que o governo vai enviar ao Congresso uma Medida Provisória para privatizar a companhia de energia que deve sair ainda nesta terça.

Continua depois da publicidade

Para o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Camargo Rosa, a descompressão das taxas teve ajuda de Powell, dando uma “esfriada” no impulso dos Treasuries e ajudando moedas emergentes. “O Fed parece muito firme em não sancionar as expectativas do mercado e manter os juros em níveis superestimlativos”, disse.

Powell afirmou que o Fed esperará que a própria inflação atinja a meta de 2%, não as expectativas sobre ela, notando que não espera um salto da inflação no curto prazo. Destacou os riscos de baixa para a economia americana e que a volta ao pleno emprego “não será tarefa fácil”.

Denise Abarca
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: (28) 3521-7726, [email protected].