Economia

IIF: níveis fiscais de pré-pandemia não garantem estabilização da dívida no País

COMPARTILHE
12
Advertisement
Advertisement

Os níveis fiscais de antes da pandemia não garantem estabilização da dívida no Brasil e em países como Índia e África do Sul, avaliou nesta terça-feira, 23, o Instituto de Finança Internacional, (IIF na sigla em inglês), em relatório. Para o IIF, mesmo que os custos de empréstimos se mantivessem estáveis nos países emergentes, o espaço fiscal seria limitado.

Continua depois da publicidade

No entanto, diz o IIF, os ajustes necessários para a sustentabilidade da dívida parecem “razoáveis” para a maioria dos países analisados, com exceção da África do Sul.

O IIF utiliza como pressuposto crescimento potencial ao redor de 2% para Brasil e México, 2,7% na Colômbia e 1,5% na África do Sul.

Advertisement

“Num contexto de taxas de juro baixas, Colômbia e México não precisariam de ajustes, mas outros países estão mais distantes da estabilização da dívida”, observa o estudo.

Continua depois da publicidade

No caso do Brasil, o IIF avalia que seria necessário um corte de gastos de cerca de 2,5% do PIB para que a dívida fosse estabilizada.

A África do Sul é o país com situação mais delicada entre os estudados, dada a erosão da disciplina fiscal na última década.

Matheus Andrade
Estadao Conteudo
Copyright © 2021 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: (28) 3521-7726, [email protected].