Economia

Rochas ornamentais capixabas fecham 2020 com faturamento de mais de R$ 4,5 bi em exportações

COMPARTILHE
291
Advertisement
Advertisement

O Espírito Santo, maior estado produtor e exportador do setor de rochas ornamentais no país, mesmo registrando queda de 1,8% em 2020, foi responsável por 82,42% do faturamento do ano passado em exportações. Em dinheiro, isso equivale a aproximadamente 813,7 milhões de dólares, ou quase R$ 4,5 bilhões.

Continua depois da publicidade

Apesar da queda – natural em um período turbulento como o que passou -, os dirigentes do setor comemoram os números. “Estamos felizes com o fechamento de 2020. O ano começou como deveria, mas abril e maio, com a pandemia, foram meses de apreensão. Em junho ocorreu uma explosão, um salto nas exportações. Não sabemos ainda se foi por conta da demanda reprimida ou se algum país parou de exportar e abriu um novo mercado para o Brasil”, avalia Rogério Ribeiro do Carmo, assessor institucional do Sindirochas.

Esse bom momento repercute nas cidades menores, já que o setor interioriza os investimentos e faz girar a economia de municípios sem grandes plantas industriais.  “Isso é muito positivo, pois é um setor que consegue levar desenvolvimento para cidades pequenas”, explica.

Para os próximos anos, há muito otimismo e bons projetos para incrementar ainda mais as vendas. Levando-se em conta que as rochas ornamentais movimentam, mundialmente, mais de 18 bilhões de dólares todos os anos e o Brasil exporta o equivalente a um bilhão de dólares, a lógica é que há muito mercado para se explorar. “Estamos prevendo um salto nas exportações nacionais e capixabas por uma possibilidade de mudança em um projeto setorial que visa a promoção das rochas no exterior”, conclui do Carmo.

Continua depois da publicidade

Brasil

Os primeiros momentos da pandemia, no país, também foram de grande dificuldade, com pico de crise em abril e maio. Entretanto, após essa fase, o setor mostrou uma recuperação notável e encerrou 2020 acumulando um faturamento de 987,4 milhões de dólares. Apesar da queda nacional de 2,65% em relação ao ano anterior – acima da média capixaba -, o segmento de rochas ornamentais mostra otimismo com o resultado, considerando todas as incertezas ainda existentes em virtude do que ainda presente quadro de pandemia, com reflexos neste e em vários outros mercados como suspensão de atividades econômicas, redução de consumo, dentre outras consequências severas.

Comparando os dados do último mês do ano com relação ao ano anterior, as exportações nacionais registram alta de 16,76%. Segundo avaliação do Centro Brasileiro dos Exportadores de Rochas Ornamentais (Centrorochas) e do maior sindicato patronal do setor no país, o Sindicato das Indústrias de Rochas Ornamentais, Cal e Calcários do Estado do Espírito Santo (Sindirochas), o desempenho do segundo semestre do ano foi surpreendente e, não fosse a pandemia, o ano encerraria com números melhores do que os registrados ao final de 2020.

Advertisement
Advertisement

O conteúdo do AQUINOTICIAS.COM é protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não é permitida a sua reprodução total ou parcial sob pena de responder judicialmente nas formas da lei. Em caso de dúvidas, entre em contato: (28) 3521-7726, [email protected].