Economia

Bolsas de NY fecham em forte baixa, com covid-19 e falta de estímulos fiscais

COMPARTILHE
7
Advertisement
Advertisement

Os mercados acionários de Nova York registraram quedas fortes nesta segunda-feira, 26, com a disseminação da covid-19 em partes dos Estados Unidos e em outros locais, sobretudo na Europa. Além disso, houve menor apetite por risco diante do fracasso até agora dos políticos em Washington para acertar um novo pacote fiscal para apoiar a economia.

Continua depois da publicidade

O índice Dow Jones fechou em baixa de 2,29%, em 27.685,38 pontos, o S&P 500 recuou 1,86%, a 3.400,97 pontos, e o Nasdaq caiu 1,64%, a 11.358,94 pontos.

O novo coronavírus continua a preocupar, com a piora nos números da pandemia em várias nações. Nos EUA, houve novo recorde diário da doenças na sexta-feira, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Advertisement

A Capital Economics destaca a possibilidade de novas ondas da doença no país um risco importante de baixa às perspectivas para a economia americana.

Continua depois da publicidade

Já o presidente americano, Donald Trump, anunciou que entregará 100 milhões de doses de uma vacina “segura” contra a doença até o fim deste ano. Além disso, reafirmou que haverá reação econômica em V, após a recessão diante da crise de saúde.

Continuam, contudo, as divergências sobre mais estímulo fiscal, apontado por vários analistas como crucial para apoiar o quadro nos EUA, com riscos de baixa importantes na recuperação.

Nesta segunda, a presidente da Câmara dos Representantes, a democrata Nancy Pelosi, disse que pode haver acordo rápido, mas criticou o chefe de gabinete do governo Trump, Mark Meadows, por ter falado que o país “não vai controlar o vírus”. Pelosi insiste em medidas como um plano nacional para realizar testes para a covid-19, além do uso de máscaras e o distanciamento social.

Continua depois da publicidade

À tarde, ela conversou com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e a democrata não descartou haver um acordo ainda antes da disputa eleitoral de 3 de novembro, segundo um porta-voz.

Entre ações em foco, Boeing recuou 3,90%, após um tribunal de apelações da Organização Mundial de Comércio (OMC) reafirmar a decisão de que a União Europeia pode impor retaliação aos EUA por causa de subsídios americanos à empresa. Entre os setores, vários mostraram baixas consideráveis, entre eles energia – em jornada negativa para o petróleo – industrial, serviços de comunicação e tecnologia.

Gabriel Bueno da Costa
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.