Economia

Crise do coronavírus: economia capixaba recua 12,2% no 2º semestre de 2020

COMPARTILHE
Foto: divulgação
47
Advertisement
Advertisement

Com recuo de 12,2% na atividade econômica no 2º trimestre de 2020, em relação ao 1º trimestre, o Espírito Santo confirma um quadro de recessão técnica. A crise provocada pelo novo coronavírus fez com que o Estado retornasse ao patamar do 3º trimestre de 2009, segundo ano da crise do subprime norte-americano.

Continua depois da publicidade

O resultado do Estado é semelhante ao do PIB brasileiro. O país também entrou em recessão técnica ao apresentar retração de 9,7% do PIB nacional, na variação contra o 1º trimestre de 2020.

No Espírito Santo, a contração econômica do 2º trimestre do ano foi disseminada em todos os setores da economia e está relacionada à crise sanitária da Covid-19. O 2º trimestre de 2020 foi marcado pela subida da curva de novos casos da Covid-19 e pela intensificação das medidas necessárias de restrição à circulação para combate à pandemia. Essas medidas impactaram diretamente o setor de serviços e, indiretamente, os demais setores, em especial a indústria.

Apesar do cenário adverso, com a flexibilização e o retorno gradual das atividades econômicas, as pesquisas mensais divulgadas pelo IBGE já indicaram um aquecimento da atividade econômica capixaba de junho para julho. Os resultados foram positivos para produção industrial (28,3%), para o volume de vendas do comércio varejista ampliado (5,2%) e para o volume de serviços (2,2%), nas séries já descontada a sazonalidade, das pesquisas da PIM-PF, PMC e PMS, respectivamente.

Continua depois da publicidade

O IAE-Findes é o Indicador de Atividade Econômica do Espírito Santo. É uma estimativa trimestral do PIB do Espírito Santo que permite acompanhar o desempenho da atividade econômica setorialmente. O IAE-Findes é calculado com base na metodologia do IBGE para o PIB trimestral do Brasil.

Trimestre contra trimestre imediatamente anterior (série sem sazonalidade)

O recuo de 12,2% da economia capixaba na passagem do 1° para o 2° trimestre do ano, na série livre de sazonalidade, foi resultado, principalmente, da retração de 9,9% do setor de serviços que contribuiu com maior impacto na queda da atividade econômica (-6,3 pontos percentuais), já que responde por 61,5% da economia capixaba. O setor foi bastante atingido pelas medidas restritivas que vigoraram a partir de março de 2020 e levaram à paralisação de atividades do comércio e de algumas atividades de serviços. A indústria recuou 20,4% e o setor de agropecuária recou 3,2%.

Advertisement
Continua depois da publicidade

Trimestre contra mesmo trimestre do ano anterior

Na variação interanual, a atividade econômica capixaba recuou 12,3% no 2° trimestre do ano. O setor de serviços teve queda de 10,0%, com recuou registrado para o comércio (-16,3%), transportes (-10,6%) e demais atividades de serviços (-8,2%). Apesar do setor de comércio apresentar o recuo mais intenso, as demais atividades de serviços, por representarem 70% das atividades do setor, responderam por -5,7 pontos percentuais da queda total, o equivalente a 57% da retração do setor de serviços. Dentro das atividades de demais serviços, destaca-se o impacto negativo das atividades de alojamento e alimentação; educação e saúde privadas; outros serviços; atividades profissionais, científicas, técnicas, administrativas e serviços complementares; administração pública; e atividades de informação e comunicação.

No 2° trimestre de 2020, a atividade industrial contraiu 23,9%, na comparação interanual, influenciada, principalmente, pela variação de -22,4% da indústria de transformação, a qual contribuiu com -9,0 pontos percentuais no recuo do setor. As indústrias extrativas retraíram 29,9% e registraram a segunda maior contribuição para a queda da indústria (-8,1 pontos percentuais). A retração da construção (-24,7%) e das atividades de energia e saneamento (-14,4%) aprofundaram a queda da indústria no 2º trimestre do ano em relação ao mesmo período do ano anterior.

O setor agropecuário retraiu 4,8% no 2° trimestre do ano em relação ao mesmo trimestre de 2019, influenciado, principalmente, pelo impacto negativo da agricultura que registrou queda em atividades relacionadas ao cultivo do café conilon, da cana-de-açúcar, do arroz e do tomate.

Acumulado dos últimos quatro trimestres

Nos últimos quatro trimestres, o estado acumulou retração de 4,1%, com as atividades de serviços recuando 1,5%, da indústria -12,3% e da agropecuária -5,4%.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.