Geral

Escolas particulares do Rio contestam decisão judicial e mantêm aulas presenciais

COMPARTILHE
12
Advertisement
Advertisement

A retomada das aulas presenciais nas escolas particulares do município do Rio de Janeiro continua envolvida em polêmica. Embora na segunda-feira, 14, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJ-RJ) tenha confirmado que as aulas presenciais estão proibidas, pelo menos duas escolas particulares da capital seguiram oferecendo essas aulas a turmas do ensino fundamental nesta terça-feira, 15. Elas usam o mesmo argumento: alegam que a função de regular esse nível de ensino cabe ao Estado e, portanto, uma decisão contra a prefeitura não pode impedir o funcionamento dessas turmas. As duas escolas continuam oferecendo aulas virtuais para os alunos que preferirem não comparecer pessoalmente.

Continua depois da publicidade

“As decisões judiciais existentes são confusas, então enquanto não houver esclarecimento a escola vai funcionar”, anunciou Luiz Eduardo Rocha Lima, diretor do Centro Educacional Miraflores, que tem unidades em Laranjeiras (zona sul) e na Barra da Tijuca (zona oeste). “Não queremos contrariar nada. Se houver uma decisão clara, vamos segui-la. Mas por enquanto entendemos que a ordem judicial é contra a prefeitura, que regula o ensino infantil, então seguimos sem as aulas presenciais nesse nível. Uma outra ordem judicial autorizou o Estado a retomar as aulas presenciais, então oferecemos aulas presenciais para as turmas de ensino fundamental”, argumentou.

Segundo o diretor, dos 173 alunos que estão matriculados no Ensino Fundamental 1 (do 1º ao 5º ano) do Miraflores, uma pesquisa prévia indicou que 56 tinham a intenção de comparecer às aulas presenciais. Na segunda-feira a escola recebeu 26 alunos e na terça, 30.

Advertisement

No Jardim Escola Tia Paula, situado em Madureira (zona norte), as aulas presenciais também continuaram nesta terça-feira. “Eu investi R$ 20 mil em uma sala de desinfecção com equipamentos iguais aos que são usados na China. Ninguém vai ser obrigado a vir (à escola), mas queremos dar essa opção, achamos que já existem condições para aulas presenciais, com todos os cuidados”, afirmou Paula Pinna, dona e diretora da escola.

Continua depois da publicidade

“Os pais precisam trabalhar e não têm com quem deixar as crianças. Duas alunas sofreram acidentes, nesse período da pandemia, porque não estavam na escola. A mãe de uma aluna de 5 anos não tinha com quem deixar a filha e a levou à padaria onde trabalha. A criança acabou prendendo o cabelo numa máquina, arrancou uma parte do couro cabeludo e foi parar no (hospital) Rocha Miranda. Agora está recuperada, mas não vai mais ter cabelo na parte machucada. Se a escola estivesse funcionando, ela não teria se acidentado”, conta.

“Outra criança, de 2 anos, ficou com a vizinha porque a mãe saiu para trabalhar vendendo jujubas. A criança puxou uma toalha e derrubou uma panela de macarrão, ainda com água fervendo, sobre si mesma. Teve queimaduras em 70% do corpo. Outro caso que seria evitado se a criança estivesse na escola”, argumenta.

Dos cerca de 70 alunos matriculados no Ensino Fundamental 1 do Jardim Escola Tia Paula, 38 compareceram às aulas na segunda-feira, segundo a proprietária. Na terça, o número caiu para 17. “Os pais veem essas decisões judiciais e ficam com medo de mandar a criança pra escola. Mas, se pode ir para o shopping, para a praia, se os pais vão ao bar, por que as crianças não podem ir à escola, com todos os cuidados?”

Continua depois da publicidade

As decisões

Em 22 de julho, a prefeitura do Rio publicou decreto que previa o retorno das aulas presenciais nas escolas particulares do município, em turmas de apenas quatro anos do Ensino Fundamental, a partir de 1º de agosto, um sábado. Algumas escolas da capital voltaram a funcionar no dia 3, mas três dias depois o Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) e a Defensoria Pública do Estado conseguiram uma decisão judicial proibindo o retorno às aulas. Essa decisão segue em vigor.

Em 4 de setembro, o governo do Estado determinou, por meio do decreto estadual 47.250, que as escolas particulares em todo o Estado poderiam retomar as aulas presenciais a partir de 14 de setembro. O Sindicato dos Professores do Município do Rio de Janeiro e Região (Sinpro-Rio) recorreu à Justiça do Trabalho, e em 10 de setembro o juiz Elisio Correa de Moraes Neto, da 23ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, proibiu a retomada das aulas presenciais. Três dias depois, outra decisão judicial, esta do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT-1), suspendeu a ordem anterior e autorizou o retorno às aulas presenciais no Estado do Rio.

Na capital, porém, segue vigorando a decisão de 6 de agosto, que proíbe a retomada das aulas presenciais na rede particular de ensino do Rio.

Questionado sobre o argumento apresentado pelas duas escolas particulares para continuar oferecendo aulas presenciais, o TJ-RJ afirmou que “não comenta opiniões a respeito de decisões de magistrados”.

Também consultada, a prefeitura do Rio não havia se manifestado até a publicação desta reportagem. Em notas anteriores, a administração ressaltou que “não regula o retorno das atividades de escolas particulares”, mas “apenas autoriza as condições sanitárias para o funcionamento desses estabelecimentos, conforme avaliação do Comitê Científico do Município e da Secretaria Municipal de Saúde”.

Fábio Grellet
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.