Economia

Bolsas de NY fecham em alta, com foco em pacote fiscal e 11 mil pts da Nasdaq

COMPARTILHE
18
Advertisement
Advertisement

As bolsas de Nova York fecharam em alta pelo quarto pregão consecutivo, com investidores otimistas sobre as negociações em Washington em torno do próximo pacote fiscal, e o índice acionário Nasdaq atingiu a marca intraday de 11 mil pontos pela primeira vez na História. O sentimento positivo no mercado também foi apoiado por indicadores econômicos que apontaram retomada da atividade e novidades sobre potenciais vacinas contra a covid-19.

Continua depois da publicidade

O índice Dow Jones terminou em alta de 1,39%, a 27.201,52 pontos, o S&P 500 avançou 0,64%, a 3.327,77 pontos, e o Nasdaq ganhou 0,52%, a 10.998,40 pontos. As ações da Walt Disney, cujo balanço do segundo trimestre surpreendeu, registraram alta de 8,80%.

Os investidores focaram hoje nas negociações entre democratas e republicanos em torno de uma nova rodada de estímulo fiscal nos EUA. “O otimismo crescente de que um acordo de estímulo pode ser alcançado até o final da semana impulsionou ativos de risco”, diz o analista Ian Lyngen, do BMO Capital Markets.

Advertisement

De acordo com o senador Roy Blunt, do Partido Republicano, a Casa Branca pretende negociar o pacote com os democratas até esta sexta-feira, 7. Se não houver consenso, o presidente Donald Trump pode agir por meio de decretos.

Continua depois da publicidade

O otimismo no mercado acionário também foi impulsionado pela divulgação de indicadores econômicos. O índice de atividade do setor de serviços dos EUA, por exemplo, subiu de 57,1 em junho para 58,1 em julho, acima das estimativas do mercado.

No entanto, a criação de 157 mil empregos no setor privado americano ficou bem abaixo do esperado por analistas: 1 milhão de novos postos. Segundo a economista Katherine Judge, do CIBC Economics, o resultado se tornou “menos preocupante” porque a geração de vagas em junho foi revisada para cima, de 2,396 milhões para 4,314 milhões.

Em relatório a clientes, a LPL Financial questiona se as recessões “são boas” para o mercado acionário. A corretora americana destaca que as bolsas têm registrado um bom desempenho em meio à crise sem precedentes gerada pela pandemia. O Nasdaq, por exemplo, já renovou máximas históricas 31 vezes em 2020. “É um caso que pode surpreender muitas pessoas, mas as ações realmente ganharam durante 7 das 12 últimas recessões”, afirma Ryan Detrick, estrategista-chefe de mercado. Ele ressalta o apoio maciço de política monetária e fiscal e a percepção de que a economia estará melhor no final do ano.

Continua depois da publicidade

Entre outros destaques do pregão, os EUA fecharam um acordo com a Johnson & Johnson para adquirir 100 milhões de doses da potencial vacina da farmacêutica contra a covid-19. As ações da empresa subiram 0,80% em Nova York. Já os papéis da Boeing, avançaram 5,58%, mesmo após a S&P Global revisar a perspectiva para o rating da companhia aérea de estável para negativa.

Iander Porcella
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.