Política Nacional

Em anúncio, Bolsonaro volta a ignorar protocolo

COMPARTILHE
24
Advertisement
Advertisement

O presidente Jair Bolsonaro contrariou mais uma vez recomendações de autoridades de saúde e colocou jornalistas sob risco de infecção ao anunciar, em entrevista na terça-feira, 7, que contraiu o novo coronavírus, afirmam analistas. Para o médico Julival Ribeiro, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), o paciente deve cumprir rígida quarentena e quebrar o isolamento apenas se precisar buscar atendimento médico.

Continua depois da publicidade

Na entrevista, Bolsonaro foi cercado por pelo menos três repórteres, além de equipes de filmagem. No fim, ele retirou a máscara, mas antes se afastou dos jornalistas.

Para Ribeiro, a máscara não é “100% segura” para impedir a transmissão da doença. “Uma pessoa que está com a covid-19, e sabe, não pode dar entrevista. O correto é: teve covid, ficar em quarentena, mesmo para autoridades”, disse. Segundo o infectologista, o apropriado, a partir de agora, é realizar o período de isolamento em casa, dentro de um quarto bem arejado, e não compartilhar banheiro, talheres e outros instrumentos. “Não deve sair de casa, exceto para ir ao hospital”, disse.

Advertisement

Na avaliação de André Ferreira, especialista em direito penal da FGV Direito SP e advogado do CADHu (Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos), é possível enquadrar a conduta do presidente em três crimes previstos no Código Penal: infração de medida sanitária preventiva, ofender a saúde de outrem e incitar publicamente a prática de crime.

Continua depois da publicidade

“Esse crime (de infração de medida sanitária preventiva) pune quem descumpre com as regras de prevenção ao contágio, como vimos no vídeo com os jornalistas e em diversas outras oportunidades em que ele andou livremente entre manifestantes, desrespeitando as regras de isolamento do DF e causando aglomerações. Ninguém comenta isto, mas o fato de transmitir a alguém uma moléstia pode ser enquadrado no art. 129 do Código Penal, pois é uma ‘ofensa à saúde de outrem'”.

Ferreira aponta que o mais grave, na sua visão, foram as falas e posturas do presidente que podem ter incentivado a população a descumprir as medidas de isolamento nos últimos meses. “Isto também é um crime, chamado de incitação pública à prática de crime e está no art. 286 do Código Penal.”

Após a entrevista, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) afirmou, no Twitter, que irá cobrar do Ministério Público Federal (MPF) que Bolsonaro responda por crime contra a saúde pública. “O presidente já sabia que estava contaminado quando retirou a máscara durante a entrevista, colocando deliberadamente a vida dos demais em risco”, disse.

Continua depois da publicidade

Entidades médicas e científicas são assertivas em orientações sobre distanciamento social. Em informe do fim de março, a SBI afirma que quem apresenta sinais de “resfriados” ou “síndrome gripal” pode ter a covid-19. “Logo, todos pacientes com essas duas apresentações clínicas devem ser colocados em isolamento respiratório domiciliar por 14 dias.”

O médico Leonardo Weissmann, consultor da SBI, disse que o perigo de contaminação seria maior se alguém estivesse sem máscara na entrevista. Para ele, o ideal seria Bolsonaro manter a proteção sob nariz e boca durante a conversa. “Porém, no momento da retirada, o senhor presidente afastou-se dos jornalistas. Não sei o quanto, mas quanto maior a distância, menor o risco para quem estava ali”, disse.

Fatores de risco

Na entrevista, Bolsonaro disse que médicos “têm dito” que usar a hidroxicloroquina aos primeiros sinais da covid-19 tem “chance de sucesso em volta de 100%”, mas a droga usada para malária, entre outras doenças, não tem eficácia comprovada contra a covid-19.

Segundo especialistas, Bolsonaro corre riscos pelo fato de ter 65 anos e também ter passado por estresses recentemente e em decorrência do cargo. “O estresse não é bom porque provoca a secreção de hormônios da suprarrenal que podem interferir negativamente com a resposta imune”, diz o infectologista do Fleury Medicina e Saúde Celso Granato.

Procurado, o Palácio do Planalto não quis comentar sobre a entrevista de Bolsonaro. (Colaborou Bianca Gomes)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mateus Vargas
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.