Economia

Dólar começa julho em queda de 2,2% com perspectiva de vacina para coronavírus

COMPARTILHE
17
Advertisement
Advertisement

O dólar começou julho em queda, em parte um movimento de ajuste após as altas recentes, em parte refletindo o enfraquecimento da moeda americana no exterior nesta quarta-feira. 1º. Otimismo com o desenvolvimento de uma vacina para combater o coronavírus, desta vez da Pfizer com a BioNTech, e indicadores melhores que o esperado nos Estados Unidos, Europa e Brasil ajudaram a estimular a busca por ativos de risco. O dólar à vista fechou em queda de 2,24%, cotado em R$ 5,3181. No mercado futuro, o dólar para agosto recuava 2,64% às 17h, em R$ 5,3190.

Continua depois da publicidade

Apesar de começar o segundo semestre em queda, a avaliação dos economistas para o real é de cautela. “O quadro está muito volátil. Nossa expectativa de final de ano é R$ 5,35, mas a incerteza é grande”, afirma o economista da Tendências, Silvio Campos Neto. Ele avalia que há espaço para um dólar mais baixo, conforme a pandemia for superada. “Mas os riscos fiscais internos são significativos”, disse ele, ao justificar sua visão mais conservadora para a moeda brasileira.

Campos Neto vê uma mudança de patamar que “parece mais definitiva” no câmbio, com o dólar deixando de operar próximo a R$ 4,00 antes da crise para algo próximo a R$ 5,00 a partir de agora.

Advertisement

No exterior, o dólar teve queda generalizada hoje, após os indicadores da indústria, incluindo o relatório dos gerentes de compra (PMI, na sigla em inglês), mostrarem recuperação da atividade. Também ajudou o relatório ADP, que mede o emprego no setor privado nos EUA, surpreender, não pela criação de 2,4 milhões de vagas em junho, mas com revisão para cima nos números de maio.

Continua depois da publicidade

O estrategista do banco canadense BMO Capital Markets, Ben Jeffery, ressalta que estes indicadores positivos ajudaram a aumentar ainda mais a expectativa pelo relatório oficial mensal de emprego (chamado de payroll), que teve divulgação antecipada para amanhã (2) por conta do feriado na sexta nos EUA. Após a surpresa com as 10 milhões de vagas criadas em maio, a dúvida é se haverá revisões neste dado e se o número de junho também será forte, embora Jeffery reconheça que está difícil agora nova surpresa como no relatório de maio.

Na ata do Federal Reserve divulgada na tarde de hoje, que não chegou a ter impacto no mercado de moedas, o BC americano reafirmou o comprometimento de usar todas as ferramentas necessárias para lidar com os efeitos da pandemia. Já o presidente Donald Trump prometeu anunciar mais medidas de estímulo, desta vez para os salários.

Em meio a liquidez elevada no mercado internacional, o fluxo de capital para o emergentes bateu em US$ 32 bilhões em junho, de US$ 3,5 bilhões em maio, de acordo com dados preliminares do Instituto Internacional de Finanças (IIF). O Brasil, porém, seguiu perdendo recursos. Pelo canal financeiro, houve saídas líquidas de US$ 4,007 bilhões no mês recém-terminado, até o dia 26, segundo dados do Banco Central.

Continua depois da publicidade

Altamiro Silva Junior
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.