Política Regional

Vereadores de Guaçuí esclarecem à negativa do MPC sobre aumento de salários

COMPARTILHE
1681
Advertisement
Advertisement

Em representação protocolada na última sexta-feira (19), o Ministério Público de Contas (MPC) pediu ao Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE/ES) que determine aos chefes do Executivo e do Legislativo de Guaçuí que se abstenham de pagar os subsídios reajustados para prefeito, vice-prefeito e vereadores do município a partir de 2021, em razão do aumento ter sido concedido de forma irregular, contrariando vedações impostas pela legislação decorrente do Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus.

TCE emite parecer prévio pela aprovação das contas de quatro prefeitos do Sul do ES

O Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCE), em sessões da 1ª...

Luciano Machado apresenta proposta de suspensão do pagamento de empréstimos consignados para aposentados, servidores estaduais e trabalhadores em solo capixaba

O deputado estadual Luciano Machado (PV) apresentou nesta semana, na Assembleia Legislativa, a proposição...

Prefeitura e Câmara de Guaçuí assinam acordo para redução de repasse do duodécimo

A prefeita de Guaçuí, Vera Costa, e o presidente da Câmara Municipal, vereador Angelo...

Os reajustes só começam a valer em 1º de janeiro de 2021, mas o MPC pede ao TCE/ES a concessão de medida cautelar para evitar que ocorra o pagamento indevido dos benefícios reajustados até uma decisão final no processo.

Além disso, que seja aplicada multa no valor de R$ 5 mil à prefeita de Guaçuí, Vera Lúcia Costa, e ao presidente da Câmara Municipal, Ângelo Moreira da Silva, caso eles descumpram a determinação.

Advertisement

O que dizem os vereadores

Continua depois da publicidade

 

Ângelo Moreira – presidente da Câmara

“Não teve aumento de subsídio, nada disso. Até porque somos obrigados por lei, votar seis meses antes das eleições o subsídio do próximo pleito. Nós não aumentamos nada, graças a Deus. Pelo contrário, estamos economizando, devolvendo recursos, cancelamos contratos, em menos de um ano, devolvemos mais de R$ 700 mil pro Executivo. Vamos assinar nesta semana um acordo com a prefeita do município, diminuindo o duodécimo da Câmara em 20%, fora a gente já está economizando quase 40% por mês e devolvendo a prefeitura para que seja utilizado em boas obras”, disse.

Ainda de acordo com o presidente da Câmara, os vereadores poderiam ter aumentado em mais duas vagas o número de políticos na Câmara, e também, o salário em até R$ 7.600, mas não aumentaram, deixando o subsídio atual para o próximo pleito.

Advertisement

Valmir Santiago –

“Quero salientar que, os subsídios para a atual legislatura, foram fixados em R$4.700, por meio da Lei 3904/2012. Desnecessário dizer que os ajustes no salário serão feitos em final de mandato. Exatamente para evitar que aconteça a pratica conhecida como legislar em causa própria.

Com referência ao valor de R$ 5.020 a ser pago aos vereadores que ocuparão cadeiras no Legislativo, é bom entender que o índice de 7% se refere ao INPC, conforme levantado pela Câmara e como se diz designado na própria representação do MPC.

Que fique claro que o Ministério Público de Contas do Estado não colocou dúvida sobre o comportamento dos vereadores e nem questionou o índice utilizado. Ao meu ver, trata-se de interpretação da legislação que deverá ser tratada pelos setores competentes”, finalizou.

Wanderley Moraes –

“Desconheço aumento de salário de vereador. O mesmo valor pago hoje será pago em 2021. O portal da transparência deixa claro os valores. Os vereadores jamais votariam tal matéria nesse momento”, afirmou.

Clique aqui e veja sobre a representação do MPC

O que diz a Prefeitura 

O MPC pede que o TCE impeça o pagamento desses subsídios, a partir de 1º de janeiro do ano que vem, alegando que houve um reajuste de 7% para o cargo de prefeito e vereadores, 8% para o vice-prefeito e 6% para o presidente da Câmara, e que qualquer aumento de remuneração a membros de poder e órgão e a servidores públicos está proibido, conforme a Lei Complementar 173/2020, devido à pandemia da Covid-19.

No entanto, além desse suposto reajuste não beneficiar qualquer dos titulares atuais dos cargos citados, como a prefeita Vera Costa e o vice-prefeito Miguel Riva, há um equívoco nesta informação.

Os valores citados como sendo os antigos que teriam sido reajustados são de 2012 e vieram sendo corrigidos em revisões gerais das remunerações de todos os servidores. Destacando a gestão de 2017 a 2020, o subsídio de prefeito de R$ 12,8 mil foi pago até a revisão geral de 2018 e houve outra em 2019 que fixou o valor em R$ 13.672,00. Ou seja, o valor presente nas leis citadas pelo MPC, 4.319 e 4.320, aprovadas pela Câmara Municipal de Guaçuí e sancionadas pelo Executivo Municipal, de R$ 13.700,00, apresenta uma diferença mínima do valor atual, de R$ 13.672,00. Mais precisamente, uma diferença de 0,205% e não 7% como afirma a representação do MPC.

Isso também aconteceu com o subsídio de vice-prefeito que, na revisão geral de 2019, passou para R$ 6.836,00 e, nas leis citadas, foi fixado em R$ 6.900,00, ou seja, outra diferença mínima abaixo de 1% (0,936%) e não de 8% como afirmado. O mesmo se repete com o subsídio do presidente da Câmara.

Logo, a Prefeitura de Guaçuí afirma que a sanção das leis citadas ocorreu por se entender que não houve reajuste, mas apenas uma aproximação de valores feita no texto que é de responsabilidade da Câmara Municipal, assim como o estudo de impacto financeiro. Todos os valores das remunerações dos agentes públicos e quaisquer servidores podem ser confirmados no Portal da Transparência, no site da Prefeitura de Guaçuí.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.