Geral

Patroa fazia as unhas quando Miguel caiu do 9º andar e morreu, diz tia do menino

COMPARTILHE
8991
Advertisement
Advertisement

Segundo Lourdes Cristina, tia do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, a primeira-dama de Tamandaré, Sari Gaspar Corte Real, esposa do prefeito Sérgio Hacker, estava fazendo as unhas quando o menino caiu do 9º andar de um prédio no Centro do Recife, na terça-feira, 2.

Crivella autoriza reabertura de bares e academias a partir desta quinta

A prefeitura do Rio anunciou que irá ampliar a flexibilização do isolamento social na...

Após fala de Ibaneis, juíza dá 72h para DF provar que há leitos suficientes

A juíza Raquel Soares Chiarelli, da 21ª Vara do Distrito Federal, deu 72 horas...

Caso Miguel: Sarí é indiciada por abandono de incapaz com resultado em morte

A Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) convocou uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira, 1º,...

“O menino começou a chorar. Só que ela (a patroa) não ligou para chamar a mãe de volta, nem nada. Infelizmente, aconteceu o que aconteceu […] Estava a patroa e uma pessoa trabalhando, fazendo a unha dela”, disse em entrevista ao G1.

Sari chegou a ser presa em flagrante, mas pagou fiança de R$ 20 mil e acabou sendo liberada na delegacia. Ela irá responder ao processo em liberdade. Ela é acusada de homicídio culposo pela morte da criança, que passava o dia com a mãe, a doméstica Mirtes Renata, no apartamento dos empregadores, localizado no 5º andar do Condomínio Píer Maurício de Nassau.

Advertisement
Continua depois da publicidade

A polícia informou que tudo indica que Miguel sofreu o acidente quando procurava pela mãe, que tinha saído para passear com o cachorro dos patrões. A perícia apontou que ele caiu de uma altura de 35 metros.

Na coletiva, o policial afirmou que a moradora teve participação no caso. De acordo com ele, a dona do apartamento e patroa da mãe de Miguel “era a responsável legal pela guarda momentânea dele”.

Mãe de Miguel desabafou para a imprensa. “Se fosse eu, meu rosto estaria estampado, como já vi vários casos na televisão. Meu nome estaria estampado e meu rosto estaria em todas as mídias. Mas o dela não pode estar na mídia, não pode ser divulgado”, disse Mirtes à Globo.

“Ela confiava os filhos dela a mim e a minha mãe. No momento em que confiei meu filho a ela, infelizmente ela não teve paciência para cuidar, para tirar [do elevador]. Eu sei, eu não nego para ninguém: meu filho era uma criança um pouco teimosa, queria ser dono de si e tudo mais. Mas assim, é criança. Era criança”, disse a mãe.

Advertisement

Com informações, Brasil 247

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.