Segurança

Caso Thamires: assassino de agricultora de Vargem Alta é preso em Cachoeiro de Itapemirim

COMPARTILHE
5467
Advertisement
Advertisement

A Polícia Militar prendeu, ao meio-dia deste sábado (27), o suspeito de matar a agricultora Thamires Lorençoni, de 26 anos. Wilson Roberto Barcelos Gomes, o Negão Chaquila, estava foragido desde o dia 30 de novembro. Ele foi detido após policiais militares abordarem um casal em uma motocicleta, na Avenida Bernardo Horta, no bairro Guandu, em Cachoeiro de Itapemirim. O homem que pilotava a moto era irmão de Chaquila e tinha um mandado de prisão em aberto.

Estudo mostra técnica inovadora para intensificar aroma dos cafés especiais

A Associação Brasileira de Cafés Especiais credenciou 14 novas empresas exportadoras de Minas Gerais,...

Flanelinha é condenado a 10 anos por estuprar adolescente grávida no ES

​Um flanelinha foi condenado a pena de 10 anos de reclusão em regime fechado...

Dupla escapa da PM e deixa para trás arma 'personalizada' no ES

Militares da Força Tática apreenderam uma carabina calibre 30 com carregador municiado com 12...

Em seguida, os militares também souberam de que o irmão do rapaz estaria escondido na casa da mulher que estava na garupa da motocicleta, no bairro Alto Independência. Os militares prosseguiram até o local e detiveram Chaquila. Os dois indivíduos foram conduzidos à delegacia.

Entenda o caso

Advertisement
Continua depois da publicidade

Thamires voltava para casa após participar de uma feira em Mimoso do Sul junto com o marido, enteado de Sula, quando foram surpreendidos por um veículo, que fechou o caminhão em que eles estavam, no dia 30 de novembro de 2019. Os criminosos roubaram uma quantia em dinheiro, e um deles, atirou três vezes contra Thamires, que morreu após ser socorrida para o Hospital Padre Olívio.

Os bandidos fizeram parecer um assalto, com intuito de confundir a polícia, mas após investigações, ficou comprovada a participação da madrasta do marido da vítima e da filha dela. Thamires deixou três filhos, duas meninas de 6 e 7 anos e um menino, de 2.

A Polícia Civil, nas investigações, apontou que Sulamita Almeida e sua filha Flávia Almeida, eram suspeitas de serem as mandantes do crime. Segundo contou, na ocasião, José Carlos da Silva, advogado de Sula e Flávia, a intenção era apenas dar um ‘susto’ na vítima, mas o criminoso contratado por R$ 1,5 mil acabou matando Thamires com três tiros.

Em depoimento, Flávia, de 18 anos, contou que era apaixonada pelo marido da vítima, de 27 anos, seu irmão de criação, e que mantinha um relacionamento com ele desde os 13 anos, e que continuaram juntos mesmo depois dele ter se casado com Thamires.

Advertisement

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.