Economia

Guaranys: Ninguém voltará para fila do Bolsa Família após fim auxílio emergencial

COMPARTILHE
15
Advertisement
Advertisement

Depois de o governo transferir quase R$ 84 milhões do Bolsa Família para publicidade institucional, secretários do Ministério da Economia disseram que o programa está com a fila zerada e que as pessoas que estavam esperando para entrar já estão recebendo o auxílio emergencial de R$ 600.

Diesel e gasolina fecham semestre em queda, diz MME; GLP 13 kg sobe 15,3%

Todos os derivados de petróleo fecharam o primeiro semestre em queda, com exceção do...

Captações no mercado de capitais caem 14% no 1º semestre para R$ 150,1 bi

Os primeiros seis meses de 2020 foram marcados por uma forte contração nas ofertas...

CVC: erros contábeis indicam impacto potencial de ajustes nas vendas de R$ 350 mi

A CVC, companhia de turismo, ainda não conseguiu apresentar o informe de resultados do...

De acordo com o secretário executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, as pessoas que estavam na fila do Bolsa Família antes da criação do auxílio emergencial serão automaticamente incluídas no programa com o fim do pagamento mensal de R$ 600. “Ninguém voltará para a fila”, garantiu.

Conforme dados do Ministério da Cidadania, 433 mil famílias já haviam sido habilitadas, mas ainda aguardavam para entrar no programa no mês passado. O secretário disse ainda que 95% dos beneficiários do Bolsa migraram para o auxílio emergencial, por ser economicamente mais vantajoso. “Os recursos para o Bolsa Família e o auxílio emergencial estão garantidos”, completou.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

O secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, acrescentou que nenhum beneficiário do Bolsa Família foi prejudicado pela decisão do governo de transferir os recursos do programa para a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência (Secom).

Ele lembrou que o governo decidiu prorrogar o auxílio emergencial por duas parcelas “em princípio” e que, depois da medida provisória que previa o pagamento permanente do 13º para o Bolsa Família caducar, o governo analisará o espaço orçamentário para seja a parcela extra seja repetida neste ano.

“O custo do 13.º do Bolsa Família deve ser de cerca R$ 2,5 bilhões. Alocaremos recursos para pagamento do Bolsa Família conforme decisão política”, completou.

Questionado do porquê da transferência de recursos do Bolsa Família para publicidade institucional, e não para ações relacionadas ao covid-19, por exemplo, Rodrigues disse que o Ministério da Economia atende demandas setoriais e que o valor “é muito pequeno” em comparação aos mais de R$ 150 bilhões destinados ao combate da pandemia. “Estamos alocando vários bilhões de reais a áreas associadas à covid-19”, completou.

Conforme portaria publicada nesta quinta-feira, 4, o governo federal retirou R$ 83,9 milhões que seriam usados no programa Bolsa Família para destinar à Secom. A medida atinge os recursos previstos para a região Nordeste do País e o dinheiro será utilizado para comunicação institucional, ou seja, para fazer publicidade das ações da gestão de Jair Bolsonaro. O valor total destinado ao Bolsa Família no ano inteiro é de R$ 32,5 bilhões.

Lorenna Rodrigues
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.