Economia

Bolsas da Europa fecham em queda, após BCE prever que PIB recuará 8,7% em 2020

COMPARTILHE
11
Advertisement
Advertisement

As Bolsas da Europa interromperam uma sequência de três pregões em alta e registraram o primeiro dia de quedas na semana nesta quinta-feira, 4, após o Banco Central Europeu (BCE) ampliar o programa de compra de ativos, mas projetar que o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro registrará contração de 8,7% em 2020. O índice intercontinental Stoxx 600 encerrou em baixa de 0,72%, a 366,25 pontos.

Juros fecham em queda com IPCA, queda no volume de serviços e exterior

O IPCA de junho abaixo da mediana das estimativas e o bom desempenho dos...

Bolsa sobe 0,88% e fecha aos 100 mil pontos pela primeira vez desde março

Alinhado ao dia positivo no exterior, o Ibovespa voltou a sentir o cheirinho de...

Bolsas de NY registram ganhos, com mais impulso à tarde e novo recorde do Nasdaq

Os mercados acionários de Nova York encerraram em território positivo, em um pregão volátil,...

O clima de cautela predominou desde a abertura da sessão, em um processo de realização de lucros, depois de três dias de fortes ganhos.

Os negócios chegaram a exibir certo alívio com o anúncio do BCE de que pretende elevar o Programa de Compras de Emergência na Pandemia (PEPP, na sigla em inglês) em 600 bilhões de euros, a 1,35 trilhão de euros, embora tenha mantido juros inalterados.

Advertisement
Advertisement
Continua depois da publicidade

No entanto, as bolsas firmaram movimento de queda após a presidente da autoridade monetária, Christine Lagarde, afirmar que o PIB da zona do euro terá retração “sem precedentes” no segundo trimestre do ano, com recuperação parcial a partir do segundo semestre. A previsão da instituição é de que a inflação fique em 0,3% em 2020, bem abaixo da meta estabelecida – de quase 2%.

Para a Capital Economics, apesar das medidas positivas, o BCE ainda enfrenta desafios no horizonte. Na avaliação da consultoria, o PEPP poderá se mostrar insuficiente, além de estar sujeito a questionamentos legais. “O Conselho pode respirar agora, mas precisa estar preparado para mais batalhas nos próximos meses e anos”, destaca.

Em meio a esse cenário, o índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, terminou em queda de 0,64%, a 6.341,44 pontos. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, promoveu evento hoje em que arrecadou US$ 8,8 bilhões de multinacionais, empresas farmacêuticas e governos de todo o mundo para as pesquisas de desenvolvimento de uma vacina contra a covid-19.

Entre os indicadores, repercutiu nos mercados europeus também a divulgação dos números das vendas no varejo na zona do euro, que tiveram tombo histórico de 11,7% em abril ante março, de acordo com a agência oficial de estatísticas da União Europeia. Com isso, em Paris, o CAC 40 perdeu 0,21%, a 5.011,98 pontos, enquanto o FTSE MIB, de Milão, cedeu 0,04%, a 19.634,03 pontos.

Em Frankfurt, o DAX teve perda de 0,45%, a 12.430,56 pontos. Por lá, o ministro da economia da Alemanha, Peter Altmaier, projetou que o PIB do país encolherá 6,3% em 2020, com expansão de 5% em 2021. Para ele, a retomada da economia deve começar já no segundo semestre.

Em Madri, o Ibex 35 recuou 0,78%, a 7.566,80 pontos. Já em Lisboa, o PSI 20 registrou baixa de 4.621,13 pontos.

André Marinho
Estadao Conteudo
Copyright © 2020 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

Advertisement

Ajude o bom jornalismo a nunca parar! Participe da campanha de assinaturas solidárias do AQUINOTICIAS.COM. Saiba mais.